Fotografia: António Pedro Santos/Lusa

Costa recusa razões para alarmismo sobre créditos à habitação

Primeiro-ministro assegura estar atento ao fenómeno.

30 Set 2022

O primeiro-ministro recusou que haja neste momento razões para sobressalto relativamente à capacidade da generalidade das famílias portuguesas suportar a atual trajetória de aumento de juros nos créditos à habitação, mas assegurou estar atento ao fenómeno.

Esta posição foi transmitida por António Costa na segunda ronda do debate sobre política geral na Assembleia da República, depois de a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, ter alertado que as prestações da casa já aumentaram nos últimos meses cerca de 100 euros – e isto em relação a créditos de valor modesto, o que exige, na sua perspetiva, uma intervenção imediata do Governo para proteger as famílias.

O primeiro-ministro, porém, afastou esta via de intervenção urgente. «Temos vindo a manter um diálogo quer com o regulador quer com os bancos. Temos vindo a fazer uma monitorização de qual é o montante que temos de crédito e de prestação por agregado familiar e percentil de rendimento. Neste momento, eu acho que não há nenhuma razão para haver um sobressalto», considerou o líder do executivo.





Notícias relacionadas


Scroll Up