Fotografia: Francisco de Assis

Igreja portuguesa quer que JMJ chegue a todo o mundo religioso e ecuménico

Ideia bem definida nas Jornadas de Comunicação Social que decorrem em Fátima, sob o lema “Comunicar a JMJ Lisboa2023” .

Francisco de Assis
23 Set 2022

A Igreja portuguesa quer que a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), como acontecimento «único, ecuménico e religioso», chegue a todos os portugueses e a todo o mundo, de modo especial aos jovens para que no final ninguém diga, «foi pena não ter sabido». A ideia foi dita e sublinhada por D. João Lavrador, presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais; por D. Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023; e por Isabel Figueiredo, diretora do Secretariado Nacional da Pastoral das Comunicações Sociais, que decorre em Fátima até hoje sob o lema “Comunicar a JMJ Lisboa2023”. Para além destas personalidades, a sessão de abertura, que decorreu sempre num tom animado e bem humorado, sobretudo através de D. Américo Aguiar, contou ainda com Nelson Ribeiro, diretor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, parceira preferencial da JMJ.
[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up