Fotografia: DM

O «grande desafio» no combate à violência doméstica é evitar que os agressores perpetuem os seus atos

Secretária de Estado da Igualdade e Migrações participou esta manhã na sessão de abertura das jornadas organizadas pela APVG.

Rita Cunha
14 Set 2022

Evitar que os agressores perpetuem os seus atos é o grande desafio da atualidade no combate ao flagelo da violência doméstica para a Secretária de Estado da Igualdade e Migrações.

Isabel Almeida Rodrigues, que falava hoje, em Braga, na sessão de abertura das jornadas no âmbito da violência doméstica, organizadas pela Associação Portuguesa de Veteranos de Guerra (APVG) fez um balanço bastante positivo dos avanços que têm sido feitos na área nos últimos anos, mas lembrou o que ainda está por fazer.

«Já conseguimos quebrar o muro do silêncio. Hoje em dia as vítimas denunciam. A passagem da violência doméstica a crime público ajudou a quebrar o silêncio. A esta quebra do silêncio não foi alheio o esforço feito por todas as entidades do país para uma rede de apoio às vítimas que permitisse que se sentissem mais empoderadas e confiantes para denunciar os crimes de que são vítimas», disse, salientando que, atualmente, a rede de respostas cobre 95% do território nacional.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up