Fotografia: DR

Novo comandante da GNR de Viana do Castelo quer “racionalizar e otimizar” recursos

O coronel Maciel da Silva tomou hoje posse.

Redação/Lusa
30 Ago 2022

O coronel Maciel da Silva que hoje tomou posse do comando da GNR de Viana do Castelo quer “racionalizar e otimizar os recursos internos, sem nunca descurar a necessidade de proporcionar melhores condições de trabalho aos militares”.

“Espero ser capaz de racionalizar e otimizar os recursos internos, sem nunca descurar a necessidade de proporcionar melhores condições de trabalho aos nossos militares, apostando na sua valorização pessoal e profissional, com expectáveis reflexos positivos para a instituição e para os cidadãos”, afirmou o novo comandante.

No discurso que proferiu, nas instalações do comando da unidade, em Viana do Castelo, Maciel Silva garantiu ter “plena confiança na competência, dedicação e espírito de missão de todos os oficiais, sargentos, guardas, guardas-florestais e civis” que integram o comando, e que tudo farão “para estar ao nível das exigências e contribuir para afirmar a Guarda como uma força de segurança cada vez mais humana, próxima e de confiança.

Em declarações aos jornalistas, no final da cerimónia de tomada de posse, presidida pelo 2.º Comandante-Geral da Guarda Nacional Republicana, Tenente-general Nuno Augusto Teixeira Pires da Silva, e na presença de deputados, autarcas e representantes de várias entidades e instituições, Maciel Silva disse que “os problemas são bastantes, mas serão enfrentados como um desafio”.

“Os desafios são transversais e o que importa é encontrar as melhores soluções, nomeadamente, os meios, que é preciso racionalizar. São certamente suficientes para cumprir a missão. No entanto, é necessário usá-los e geri-los de forma parcimoniosa”, afirmou, acrescentando que, por ser o primeiro dia em funções, não estar “em condições de dizer se precisa de mais meios”.

“Os que estão até agora cumpriram a missão e bem. Certamente que serão suficientes para cumprir”, insistiu.

Maciel Silva, de 51 anos, natural de Barcelos, no distrito de Braga, tinha desempenhado as funções de 2.º comandante e chefe de operações e investigação criminal no comando territorial da GNR de Viana do Castelo.

O novo comandante realçou que “a segurança é um problema de todos e em que todos devem estar envolvidos”.

O reforçar a proatividade, proximidade e visibilidade, a investigação criminal, a segurança em ambiente rodoviário e valorizar a vertente ambiental, são outras das áreas de atuação, a que novo comandante vai dar especial atenção.

Destacou também a importância da continuidade das “excelentes” relações com a Guardia Civil, face à proximidade da fronteira entre o Alto Minho e a Galiza.

Também o 2.º Comandante-Geral da Guarda Nacional Republicana, Tenente-general Nuno Augusto Teixeira Pires da Silva, realçou que, fruto da localização do comando territorial, “as preocupações securitárias estendem-se além-fronteiras, promovendo excecionais relações de cooperação policial transfronteiriça”.

Apontou como exemplos “a realização de patrulhamentos conjuntos com a Guardia Civil, dentro e fora do território nacional, bem como a presença no Centro de Cooperação Policial e Aduaneira de Tui [Galiza], enquanto instrumento basilar para a recolha e intercambio de informações assim como prevenção e repressão da criminalidade na zona fronteira”.

O tenente-general sublinhou que o comando territorial da GNR de Viana do Castelo “serve mais de 189 mil habitantes residentes na sua zona de ação, que se encontram dispersos nos 2.200 quilómetros quadrados, o que corresponde a 82% da população e 98% da área total do distrito de Viana do Castelo”.

Maciel da Silva que hoje tomou posse como comandante da GNR de Viana do Castelo é mestre em ciências militares, na especialidade segurança (GNR), pela Academia Militar e possui uma pós-graduação em Direito e Segurança pela Universidade Nova de Lisboa.

Ingressou no quadro permanente da Guarda Nacional Republicana em 1993, tendo desempenhado diversas funções ao longo da sua carreira profissional.

O novo comandante veio substituir Carlos Felizardo que vai assumir as funções de oficial de ligação do Ministério da Administração Interna (MAI), na embaixada de Portugal, em Luanda, Angola.

O Comando Territorial de Viana do Castelo é composto por 16 postos territoriais e um de trânsito.





Notícias relacionadas


Scroll Up