Fotografia: DR

Festival Paredes de Coura soma 71 concertos em cinco dias e espera 115 mil pessoas

Depois de ter sido obrigado a parar devido à pandemia, o Paredes de Coura, na 28.ª edição, abre na próxima terça-feira.

Redação/Lusa
11 Ago 2022

O Paredes de Coura, o mais antigo festival de música de Portugal em edições consecutivas, regressa na próxima terça-feira, e são esperadas 115 mil pessoas durante os cinco dias de duração com os seus 71 concertos.

“A estimativa é 23 mil pessoas por dia. Não queremos vender nem mais um bilhete, porque não queremos que as pessoas percam a comodidade e isso está praticamente garantido. Portanto é fazer as contas – 23 mil vezes cinco dias – e são essas as pessoas que vamos ter no festival”, avançou hoje à agência Lusa o diretor do evento, João Carvalho, e um dos seus fundadores, numa entrevista telefónica.

Depois de ter sido obrigado a parar devido à pandemia, o Paredes de Coura, na 28.ª edição, abre na próxima terça-feira, 16 de agosto, com a atuação dos Lemon Lovers, às 14:00, que abrem o palco principal junto ao anfiteatro natural.

O primeiro dia está recheado de bandas nacionais, precisamente por ser dedicado à música portuguesa e, pelas 14:30, segue-se Ocenpsiea, no palco Vodafone FM (palco secundário), antes dos Club Makumba (15:00), o mais recente projeto de Tó Trips e João Doce.

Noiserv (15:30), Pluto (16:00), Paraguaii (16:30), Benjamim (17:00), Rapazego (17:30), The Twist Connection (18:00), You Can’t Win Charlie Brown (18:30), Samuel Úria (19:00), Linda Martíni (20:30), 10 000 Russos (21:15), Mão Morta (22:00), Bruno Pernadas (22:45) e Sam The Kid com Orquestra e Orelha Negra (22:30) são as outras bandas previstas no alinhamento do primeiro dia daquele que é conhecido pelo “festival do abraço” e da “ternura”, como descreve João Carvalho.

Depois da atuação do Conjunto Corona (00:30), a música no primeiro dia continua a soar pela noite dentro com Moulinex (01:15) e o Conjunto Cuca Monga (02:30).

No segundo dia do Paredes de Coura, 17 de agosto, o festival de música que já foi considerado um dos cinco melhores da Europa pela revista Rolling Stone, vai aquecer durante a tarde com o Jazz na Relva, a partir das 15:00 com Caio e com o Homem em Catarse (16:00).

A abrir o palco secundário vai estar Gator, The Alligator (18:00) e, ao longo do dia, seguem-se Mema. (18:30), Porridgeradio (19:15), Alex G (19:45), Indigo de Sousa (20:45), a banda irlandesa The Murder Capital (22:20) e o agrupamento britânico Idles (23:15).

A dupla norte-americana Beach House, formada em 2004 em Baltimore, regressa ao Coura com o novo álbum “Once Twice Melody”, e sobe ao palco à 01:00 como cabeça de cartaz. A dupla constituída pela francesa Victoria Legrand e o americano Alex Scally produziu na totalidade este novo álbum, em que alguns temas são acompanhados por um conjunto de cordas ao vivo, com arranjos de David Campbell.

A segunda noite termina com Viagra Boys (02:15) e Haai (03:30).

No terceiro dia do festival, 18 de agosto, depois do Jazz na Relva ao longo da tarde, fazem parte do alinhamento musical os Surprise Chief (18:00), o trio The Comet is Coming (19:45), Parquet Courts (21:25), L’Éclair (22:10) e Turnstile (23:15).

O grupo de dança alternativo francês L’Impératrice atua às 00:45, mas a terceira noite do Coura só encerra no palco principal com a atuação de Nu Genea Live Band (01:45) e John Talabot (03:15).

Na penúltima jornada do Coura 2022, dia 19, o duo norte-americano de música eletrónica Boy Harsher sobe ao palco às 20:50. Pelas 21:45, seguem-se os canadianos Bad Bad Not Good, com temas que deambulam entre o “soul-jazz de 1970, o hip-hop alternativo e a eletrónica experimental”, como se lê na página oficial do festival.

Às 22:30, atua a banda Arp Frique & Family que promete aquecer a noite com a exploração de sons “afro beat, funk e soul” e, pela noite dentro, atuam também o multi-instrumentalista, cantor, compositor e produtor Ty Segall & Freedmom Band (23:15), e os cabeça de cartaz The Blaze, (01:25). Para o After Hours de 19 de agosto são convidados os Ata Kak (02:25) e Mal Grab (03:30).

Manel Cruz abre às 18:00 o palco secundário no último dia do festival, 20 de agosto, e no alinhamento está prevista a atuação de Far Caspian (18:30), Xenia Rubinos (19:05), La Femme (19:40), Perfume Genius (20:35), Princess Nokia (21:20), Yves Tumor & Its Band (22:00) e Slow Thai (22:50).

Os Pixies, banda de rock alternativo natural de Boston (EUA), regressam ao festival Paredes de Coura e atuam pelas 00:20 para apresentar o seu mais recente álbum “Beneath the Eyrie”, lançado em setembro de 2019.

A 28.ª edição do Paredes de Coura encerra com Tommy Cash (02:05) e Nuno Lopes (03:05), no After Hours.

O Festival Paredes de Coura, com 29 anos de existência, tem revelado, ao longo do seu percuro, novas promessas musicais, mas também tem apresentado alguns nomes consagrados da música a nível mundial, como os Arcade Fire, Pixies, PJ Harvey, Nick Cave, Coldplay e Morrissey.





Notícias relacionadas


Scroll Up