Fotografia: DR

PJ detém suspeitos de atear fogos em Guimarães e Póvoa de Lanhoso

Ocorrências foram registadas no final de julho.

Redação/Lusa
4 Ago 2022

A Polícia Judiciária (PJ) deteve um homem e uma mulher suspeitos, respetivamente, da autoria de incêndios florestais em Guimarães e Póvoa de Lanhoso, registados em finais de julho. Vão agora ser presentes às autoridades judiciárias competentes para aplicação de medidas de coação.

Em comunicado, a PJ refere que o incêndio de Guimarães ocorreu a 27 de julho, na freguesia de Prazins (Santa Eufémia) e consumiu cerca de mil metros quadrados de área florestal, constituída principalmente por espécies arbustivas e arbóreas. “O presumível autor é um homem com 42 anos, que recorreu a chama direta para a ignição do incêndio”, acrescenta. As condições atmosféricas registadas naquele momento, em que se conjugavam altas temperaturas com um grau de humidade baixo, aliadas à disponibilidade de combustível, fizeram o incêndio evoluir e colocar “em perigo várias habitações e a mancha florestal situada nas proximidades”.

Já o incêndio da Póvoa de Lanhoso foi registado a 29 de julho, em Brunhais, sendo a presumível autora uma mulher de 38 anos de idade, “que igualmente recorreu a chama direta para a respetiva ignição”. “Nesta situação, um popular residente na freguesia apercebeu-se do início do incêndio e, com recurso a meios próprios, conseguiu extinguir o mesmo, antes que atingisse outras proporções”, também devido a “condições meteorológicas propícias para a propagação rápida e de dimensão considerável do incêndio”, refere a força de investigação criminal.

Ambos os detidos registam antecedentes policiais e criminais pela prática de crime de incêndio florestal e terão atuado por motivos fúteis, informa a PJ. Os suspeitos vão ser presentes às autoridades judiciárias competentes para aplicação de medidas de coação.





Notícias relacionadas


Scroll Up