Espaço do Diário do Minho

O que fazer nas férias?

4 Ago 2022
Célia Ferreira,

O ano letivo acabou e as férias chegaram. E agora? O que fazer com o tempo livre das crianças? A preocupação comum dos pais é saber como mantê-las entretidas e aproveitar o tempo com elas da melhor forma. Este é o período do ano, pelo qual as crianças tanto esperam, sobretudo porque podem brincar por mais tempo, sem necessidade de adormecerem cedo ou realizarem tarefas escolares. Se para eles esta é a altura de aproveitar, de rir e brincar, para os pais este período pode significar semanas intensas de maior agitação e desarrumação em casa. É importante que as crianças entendam que o período em que deixam de frequentar as aulas não é um período de inatividade. É importante ainda que os pais percebam, que o fundamental não é a quantidade de tempo, mas antes a qualidade do mesmo que poderá fazer a diferença. Assim é essencial criar uma rotina nas férias, que ensine as crianças a gerir o tempo, para que não fiquem agarradas aos videojogos ou ao computador.

Qual é então a alternativa?

– Frequência de ATL – Instituições Públicas ou Privadas disponibilizam uma série de atividades ao ar livre das quais as crianças poderão usufruir.

Se as crianças já forem um pouco mais crescidas, os pais poderão ainda, e no caso de estes não quererem frequentar o ATL:

– Organizar, em conjunto, um cronograma semanal – Sentar-se com a criança e programar uma serie de atividades. Umas de natureza mais obrigatória, que dirão respeito à realização de algumas tarefas domésticas, como:

– Fazer a cama e arrumar a loiça;

– Organizar os armários e guardar o material escolar;

– Guardar e separar os brinquedos,

– Guardar e separar as roupas.

E outras, de caráter mais livre, que envolvam as atividades que mais gostam de fazer, como por exemplo:

– Ver TV;

– Passear;

– Jogar jogos de computador.

Os mais novos podem participar e auxiliar os mais velhos nestas mesmas tarefas.

Lembrem-se que as férias podem ser uma oportunidade para que as relações familiares sejam reforçadas, graças à criação de memórias felizes.



Mais de Célia Ferreira,


Scroll Up