Espaço do Diário do Minho

Para que o tempo não apague a memória!

2 Ago 2022
J. M. Gonçalves de Oliveira

A associação Conquistas da Revolução, através do seu presidente, Manuel Begonha, propôs, na última reunião pública da Câmara de Lisboa, erguer um monumento em homenagem ao general Vasco Gonçalves para assinalar o centenário do seu nascimento.

Ao que parece, fruto de distração ou momentâneo esquecimento do que foi o PREC (Processo Revolucionário em Curso), o presidente do executivo da capital, Carlos Moedas, num primeiro tempo anuiu sem hesitações, vindo posteriormente a negar tal intenção. Este intento mereceu não só protestos da oposição, como também da coligação “Novos tempos” (PSD, CDS, Aliança, MPT e PPM) que dirige o concelho lisboeta.

Se nos lembrarmos do que foram os II, III, IV e V Governos Provisórios, liderados por Vasco Gonçalves fortemente conotado com o Partido Comunista, que governaram Portugal entre 18 de julho de 1974 e 19 de setembro de 1975, esta reação tão espontânea e maioritária não é de admirar, nem sequer merece um aplauso especial.

Durante este período conturbadíssimo que colocou o país à beira da guerra civil, assistiu-se a prisões arbitrárias, a saneamentos discricionários, à nacionalização da banca, dos seguros e de outras grandes empresas, à implementação da Reforma Agrária com ocupação selvagem de terras e outras propriedades que quase feriu de morte uma economia já de si depauperada, levando a um marcado retrocesso civilizacional.

Em paralelo, iniciou-se o processo de descolonização apressado e desorganizado que fez regressar ao país milhares de portugueses das colónias de África, muitos deles deixando para trás pecúlios de uma vida e sonhos desfeitos.

A insegurança e a desordem andavam de mãos dadas e muitos portugueses mais endinheirados, uns por razões políticas, outros apenas por medo, não hesitaram em partir para o exílio no Brasil, Espanha e outras paragens, tamanho era o caos e a incerteza.

Esta situação catastrófica, que visava a implementação de um regime totalitário de esquerda, só veio a terminar em 25 de novembro de 1975, por ação dos militares moderados onde se destacaram, entre outros, Ramalho Eanes e Jaime Neves, apoiados pelas forças políticas à direita do PCP, incluindo o PS de Mário Soares, o PSD de Sá Carneiro e o CDS de Freitas do Amaral. Foi um momento determinante que pôs fim à revolução e iniciou a normalização democrática do país que hoje desfrutamos.

O que seria Portugal no presente sem estes desvarios? O que seria este país se tivesse conseguido uma transição pacífica da ditadura para a democracia, à semelhança da nossa vizinha Espanha?

Nesta brevíssima síntese, realço o papel de Vasco Gonçalves como timoneiro de uma revolução que pretendia instaurar em Portugal um regime totalitário de esquerda e em que Mário Soares assumiu um papel fulcral na defesa da liberdade e na implementação de um regime democrático de estilo ocidental.

A marca do primeiro-ministro dos governos provisórios já está plasmada na História de Portugal como um homem que tentou substituir uma velha ditadura por uma outra de sinal contrário, mas não menos feroz e redutora de todos os direitos humanos.

Não merece mais nada e junto-me a quantos mostraram a sua indignação à ideia de o homenagear e não posso deixar de lamentar o equívoco cometido por Carlos Moedas.

Para que o tempo não apague a memória, recomendo às gerações mais novas que se informem do que foi o PREC, também conhecido por “gonçalvismo”.

Hoje, mais do que em tempo algum, é fácil e rápido obter informação sobre aquele e outros momentos negros da nossa história coletiva. À semelhança duma boa vacina, o seu conhecimento desenvolverá anticorpos suficientes para combater qualquer forma de populismo que atente contra a liberdade e a democracia. No seu recente livro autobiográfico “Cebola Crua com Sal e Broa” – Da infância para o mundo”, Miguel Sousa Tavares recorda esses tempos difíceis com rigor e clarividência.

Para que o tempo não apague a memória que leve ao desleixo de descurar a defesa da liberdade e da democracia, é preciso revisitar o passado.



Mais de J. M. Gonçalves de Oliveira

J. M. Gonçalves de Oliveira - 13 Set 2022

Setembro ainda é mês de férias para alguns portugueses. Porém, para a grande maioria, é tempo de preparar o novo ano letivo. É tempo de rever mochilas, conferir livros e manuais, comprar material escolar e cuidar de tudo para evitar percalços no arranque da nova etapa na vida das crianças e jovens em idade escolar. […]

J. M. Gonçalves de Oliveira - 30 Ago 2022

Ano após ano a devastação da floresta pelos incêndios, repete-se! Em cada verão, as imagens das labaredas infernais consumindo matas e arvoredos, bosques e serras entram-nos casa adentro destruindo a quietude dos dias estivais. Ciclicamente, a paisagem que foi verde transforma-se, repentinamente, num manto pesaroso de árvores queimadas em chão desventrado e coberto de cinza. […]

J. M. Gonçalves de Oliveira - 17 Ago 2022

Nestes quentes dias de agosto, o anseio de boa parte da população centra-se em poder desfrutar de alguns dias de descanso que lhe revigore o corpo e o espírito. Este desejo leva a um verdadeiro alheamento da realidade que possa perturbar a materialização daquele direito, brandas e efémeras são as reações lidas e ouvidas às […]


Scroll Up