Fotografia: DM

Vila Verde promove mais de 50 eventos dedicados às tradições do mundo rural

“Na Rota das Colheitas” regressa com novas atividades, de agosto a novembro.

Jorge Oliveira
27 Jul 2022

A programação “Na Rota das Colheitas”, do município de Vila Verde, está de regresso após dois anos de interrupção forçada devido à pandemia, com mais de 50 atividades em homenagem ao mundo rural, de agosto a novembro. 

Este ano, a Rota é enriquecida com a entrada da freguesia de Moure, que irá organizar um arraial com arroz de feijão com pataniscas e magusto, no dia 13 de novembro, e com uma atividade em estreia, a recriação de uma apanha da azeitona nos moldes tradicionais, numa quinta na freguesia de Sande, a 12 de novembro. As iguarias em Moure serão confecionadas pela equipa vencedora do programa “Chefs da Nossa Terra”, da RTP, que decorreu em Vila Verde no passado domingo.

O programa apresenta ainda três alterações: Parada de Gatim, com historial na prática da desfolhada de minho, irá alargar a atividade para uma festa das colheitas, em 1 e 2 de outubro; na Lage, a ‘matança da seba’ é substituída por um magusto, na noite do dia 22 de outubro, e em Cabanelas a feira Agridoce dá lugar a um magusto e ‘sopas de burro cansado’, no dia 12 de novembro. 

Durante cinco meses, em 26 freguesias e uniões de freguesias do concelho, mais de 40 iniciativas convidam a viajar “pelos sabores e saberes da tradição”, através da reprodução de práticas agrícolas como malhada de centeio e feijão, espadelada de linho, desfolhada de milho, vindima,  pisada de uvas e apanha da azeitona.

Também não faltarão arraiais à moda do Minho, festas e romarias, iniciativas gastronómicas, espetáculos musicais, numa dinâmica que «ajuda os mais velhos a reavivar memórias e ajuda os mais novos a entender, numa perspetiva pedagógica, estas práticas e vivências antigas do mundo rural», disse, ontem, na apresentaçãoda programação a presidente da câmara de Vila Verde.

Como habitualmente, o grande evento desta Rota é a Festa das Colheitas, em Vila Verde, que este ano comemora a 30.ª edição, de 5 a 9 de outubro, com mais de uma dezenas de eventos como a Festa do Caurdo (que já extravasou fronteiras, realizando-se também em Dusseldorf, Alemanha), encontros de música popular, concursos agrícolas e gastronómicos.

Este roteiro turístico-cultural do município de Vila Verde envolve mais de uma centena de parceiros, desde juntas e uniões de freguesias, a associações culturais, passando por agentes turísticos, comercio local e instituições.

Na apresentação, Júlia Rodrigues Fernandes convidou a participar nesta «emocionante viagem à descoberta da genuína tradição minhota e do pulsar do mundo rural», à qual estão associadas duas iniciativas de natureza: os Trilhos da Nóbrega e uma caminhada ambiental na zona ribeirinha entre os rios Homem e Cávado, nos dia 26 e 27 de novembro, respetivamente.

A autarca deu nota que nesta programação estão presentes as marcas da identidade das comunidades, das freguesias e instituições do concelho, constituindo esta Rota uma «homenagem ao mundo rural». 

«É uma verdadeira festa minhota aquilo que se propõe nesta Rota. Vila Verde através destas atividades mantém a sua força, continua a apostar na sua identidade cultural e continua orgulhosamente a defender a sua ruralidade, embora sempre com iniciativas que a projetam para a modernidade», reforçou.

Júlia Rodrigues Fernandes acrescentou que a iniciativa representa também uma «importante mais-valia para o setor económico», porque «dinamiza» o concelho, «atrai novos visitantes», com maior incidência na Festa das Colheitas, onde estão representados os produtos regionais, a agricultura, o artesanato.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]

 





Notícias relacionadas


Scroll Up