Espaço do Diário do Minho

Stranger Things

9 Jul 2022
FERNANDO VIANA

Stranger Things (Coisas Estranhas) é o nome de uma série de televisão que passa na cadeia de streaming Netflix e que tem atraído multidões de admiradores de todo o mundo.

Basicamente, um grupo de jovens habitantes de uma fictícia cidade norte-americana (Hawkins), vão enfrentar um conjunto de desafios sobrenaturais (monstros, terror, superpoderes e coisas vindas do além). Graças ao talento dos jovens atores e a um argumento bem construído, os autores e produtores da série têm conseguido um êxito estrondoso ao nível dos afamados Harry Potter, Parque Jurássico, Guerra dos Tronos, entre outros.

Muita imaginação, muita ficção científica e efeitos especiais bem conseguidos e aí temos, os espetadores a abstraírem-se da realidade, embarcando numa viagem que ultrapassa os melhores sonhos ou pesadelos, consoante os gostos.

Mas será que nos dias que correm ainda precisamos da alienação dos filmes e das séries de televisão para sairmos da monotonia do nosso mundo?

Na minha opinião, não. O mundo em que vivemos está tão cheio de stranger things que, às vezes, parece que estamos literalmente a viver dentro de um filme de ficção científica. Senão vejamos:

Em 2020 (e 2021 sobretudo), a epidemia de Covid-19 trouxe para a realidade aquilo que só víamos em filmes: biliões de pessoas mascaradas em todo o mundo e fechadas em casa em pânico devido a um mortífero vírus desconhecido; cientistas desesperados em busca de uma vacina milagrosa; multidões manifestando-se contra as medidas de confinamento; caos nos hospitais; cidades desertas; corrida aos supermercados que esgotaram as prateleiras de alimentos e de papel higiénico…

As últimas décadas têm sido pródigas em fenómenos climáticos extremos que conseguem ultrapassar nas suas consequências e espetacularidade visual, os melhores efeitos especiais de filmes como “Terramoto” (1974), “O Acontecimento” (2008), “Vulcão” (1997), “Fora de Controlo” (1995), “WWZ” (2013) e muitos outros. De facto, desde o tsunami ocorrido no sudeste asiático que em 2013 matou mais de 230.000 pessoas, aos incêndios como os que tivemos em 2017 em Portugal que provocaram a morte a pelo menos 115 pessoas, aos vulcões da Islândia e das Canárias ou à crise dos insetos (título de um livro recente do jornalista Oliver Milman sobre o “apagão” que o mundo regista ao nível dos insetos e que pode por em causa os fundamentos do mundo como o conhecemos), há n fenómenos reais recentes que ultrapassam a melhor ficção.

Daí à guerra da Ucrânia com início em fevereiro deste ano, sem fim à vista e que, senão houver um sério esforço de todos os intervenientes para lhe por rapidamente um fim, pode precipitar a humanidade para um fim apocalíptico digno de um “The day after” (telefilme norte-americano de 1983) em que o agravamento das relações entre as duas superpotências (EUA e URSS) na Europa em plena guerra fria, conduz a potência soviética à invasão de Berlim Ocidental (estranha semelhança com a Ucrânia, não?). O posterior envolvimento da NATO conduz à eclosão de uma guerra nuclear total entre russos e americanos, com consequências desastrosas para a humanidade.

É caso para esperar que prevaleça o bom senso e que a realidade não ultrapasse a ficção. Vejamos até onde estão dispostos a ir os falcões da guerra.



Mais de FERNANDO VIANA

Fernando Viana - 24 Set 2022

Abordamos no nosso último artigo a questão que assume particular relevo na atualidade e que se prende com os grandes e sucessivos aumentos de preço do gás natural. Uma opção que se coloca aos consumidores com consumos anuais até 10.000m3 é a passagem para o mercado regulado, cujas tarifas, preços e regras são estabelecidos pela […]

Fernando Viana - 17 Set 2022

Vivemos tempos complicados, devido à subida dos preços (inflação) dos mais variados produtos, muito por força da situação de guerra na Ucrânia. Em particular, o mercado energético tem sido particularmente afetado, com os preços dos combustíveis, da eletricidade e do gás natural a subirem bastante. No caso do gás natural, uma vez que a Rússia […]

Fernando Viana - 3 Set 2022

Com a chegada do Verão, período do ano muito almejado por todos, associado ao bom tempo, calor e férias, chega também inevitavelmente a época dos incêndios. Este ano não constituiu exceção. Desde o tristemente célebre ano de 2017 que não ardia tanta floresta em Portugal. Naquele ano arderam mais de 500.000 hectares (ha) de floresta […]


Scroll Up