Fotografia: CM Vila Nova de Famalicão

Casa da Quinta de Santiago e aqueduto classificados como monumento de interesse público

Secretária de Estado da Cultura descreve o conjunto como um “testemunho notável de vivências ou factos históricos”.

Redação/Lusa
7 Jul 2022

A Casa da Quinta de Santiago e o respetivo aqueduto, na freguesia de Castelões, em Vila Nova de Famalicão, foram classificados como monumento de interesse público, segundo a portaria publicada em Diário da República esta quinta-feira. Segundo o documento, o local apresenta um “testemunho notável de vivências ou factos históricos”.

A portaria assinada pela secretária de Estado da Cultura, Isabel Alexandra Rodrigues Cordeiro, refere que a Casa da Quinta de Santiago, de fundação medieval, está referenciada desde o início de Quinhentos, tendo permanecido na posse da mesma família até meados do século XX. O documento acrescenta ainda que o edifício atual configura um solar barroco, sendo o conjunto arquitetónico completado por um aqueduto situado num pequeno vale entre os lugares de Santiago e da Bouça, que pertence à Casa de Santiago.

O aqueduto, constituído por 17 arcos de volta perfeita, de traçado irregular, apresenta um estado de conservação “razoável”, mas necessita de limpeza da vegetação existente, de forma a não deteriorar a pedra, revela a portaria. “Presumivelmente erguido no século XVIII, é de feição muito semelhante ao aqueduto de Vila do Conde, constituindo um testemunho raro deste tipo de obras. Embora na atualidade alguns arcos se encontrem tapados, e a caleira que conduz a água do tanque de recolha tenha sido parcialmente destruída pelas obras da autoestrada Famalicão-Guimarães, o resto da estrutura conserva-se intacto”, lê-se ainda.

A secretária de Estado justifica a classificação do conjunto pelo seu interesse como “testemunho notável de vivências ou factos históricos, pelo seu valor estético, técnico e material intrínseco, pela sua conceção arquitetónica, urbanística e paisagística, pela sua extensão e pelo que nele se reflete do ponto de vista da memória coletiva”. Na classificação, pesaram também as “circunstâncias suscetíveis de acarretarem diminuição ou perda da sua perenidade ou integridade”.





Notícias relacionadas


Scroll Up