Vídeo: Miguel Viegas

Ponte de Lima espera visitantes até 31 de outubro.

Luísa Teresa Ribeiro
6 Jul 2022

Ponte de Lima espera, até 31 de outubro, a visita de 200 mil visitantes à 17.ª edição do Festival Internacional de Jardins, dedicada às alterações climáticas.

Ponte de Lima quer atrair 200 mil visitantes ao 17.º Festival Internacional de Jardins, que decorre até 31 de outubro, chamando a atenção para a temática das alterações climáticas. Em 16 edições, esta iniciativa já recebeu mais de 1,5 milhões de visitantes e 676 candidaturas, com origem em 31 países.

Os números foram apontados pelo presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima na inauguração do festival que desde 2005 se realiza junto ao rio Lima.

Na sessão inaugural, que manteve a tradição de se realizar na última sexta-feira de maio, Vasco Ferraz referiu que este evento «é uma referência a nível nacional e internacional».

Sublinhando que o certame anual «é um dos mais destacados mundialmente», lembrou os «impactos produzidos no que respeita à notoriedade e visibilidade conferida ao território».

Vasco Ferraz elogiou «a elevadíssima qualidade dos jardins colocados a concurso».

Centrando-se no tema deste ano, o edil afirmou que as alterações climáticas «são a maior ameaça ambiental do século XXI e, ao contrário do que alguns ainda querem fazer acreditar, foram fortemente incrementadas pela atividade humana, no último século».

«Os efeitos das alterações climáticas estão a ser sentidos como nunca e evidenciam preocupantes sinais de intensificação. Continuam, a cada dia que passa, a hipotecar a vida de centenas de milhares de pessoas por todo o mundo e a comprometer a existência de vários países», alertou.

O edil destacou a «premência da alteração de comportamentos que tem de ser operada a nível político, económico e social para que seja possível travar e, posteriormente, inverter o rumo dos acontecimentos em matéria de alterações climáticas».

«É com enorme frustração que sinto que a geração em que me incluo ao invés de, no mínimo, legar um planeta com condições próximas daquelas que encontrou, insista em trilhar um percurso caraterizado pelo egoísmo e pela irresponsabilidade, causador de enormes assimetrias socioeconómicas e, inconcebivelmente, criador de sentimentos, nas gerações mais novas, quando projetam o seu futuro, como alguns daqueles que serão expostos nos jardins das escolinhas colocados a concurso», declarou.

Dirigindo-se aos mais novos, que voltam a marcar presença nesta iniciativa, com 7.ª edição do Festival de Jardins Escolinhas de Ponte de Lima, desejou-lhes «o maior sucesso no enorme e duplo desafio que têm de enfrentar, o da efetiva alteração dos hábitos adotados ao longo das últimas décadas que têm conduzido, sobretudo as sociedades mais desenvolvidas, para um estilo de vida que está intimamente associado a um consumismo totalmente desregrado que há muito ultrapassou as legítimas questões do bem-estar, conforto e da segurança, e o de exigir aos decisores políticos que seja verdadeiramente conferida, na agenda política, prioridade às questões que se prendem com a urgente adoção/reforço de medidas de mitigação e de adaptação às alterações climáticas».

 

Propostas de 12 países

O 17.º Festival Internacional de Jardins recebeu 21 propostas, provenientes de 12 nacionalidades diferentes. O maior número foi de Portugal, com seis candidaturas, seguindo-se a Polónia, com cinco, sendo que os restantes países candidataram-se com uma cada um: Alemanha, Áustria, Roménia, Noruega, Brasil, Espanha, Escócia, Itália, República Checa e França.

Anualmente, o Festival Internacional de Jardins recebe candidaturas de todo o mundo, mostrando ser assim um sucesso constante e uma mais-valia para a vila e para toda a região.

Entre estas propostas foram selecionados pelo júri do certame 11 novos projetos, a que se junta o mais votado do ano passado, “O Jardim do Diálogo” , da autoria da arquiteta paisagista da República Checa Magda Jandová, em parceria com os Viveiros Adoa, de Vigo.

Por seu turno, o 7.º Festival de Jardins Escolinhas contou com a participação de cerca de 250 crianças, de nove instituições do pré-escolar, 1.º e 2.º ciclos ensino do concelho de Ponte de Lima: jardins de infância de Lagoas, Freixo, Cepões, Arcozelo e Brandara, centros educativos da Facha e de Trovela, EB1 de Freixo e Ponte de Lima e EB 2,3 António Feijó.

Compete ao público a eleição do jardim vencedor, que permanecerá para a edição do próximo ano.

 

“Jardins Saudáveis” é o tema para a edição de 2023

Desafio “Jardins Saudáveis” é o tema para a edição de 2023 do Festival Internacional de Jardins, anunciou o presidente da Câmara Municipal de Ponte Lima.

Vasco Ferraz adiantou que este tema poderá «permitir a reflexão sobre a importância dos espaços ao ar livre, em termos desportivos e de lazer; da alimentação saudável, da segurança alimentar e da necessidade de valorização dos produtos locais; e dos modos de produção sustentáveis ou mesmo da importância da biodiversidade para a saúde e bem-estar do Homem». As candidaturas decorrem até 15 de novembro de 2022.

 

Ponte de Lima quer ser o pulmão do Alto Minho

O presidente da Câmara Municipal limiana anunciou o lançamento do projeto “Ponte de Lima – Pulmão do Alto Minho” como uma medida da autarquia de «mitigação e da adaptação às alterações climáticas, procurando garantir a defesa de pessoas e bens e a minimização dos efeitos negativos das mesmas».

Vasco Ferraz adiantou que «este projeto terá como primeiro objetivo «a definição de uma infraestrutura verde, com base na floresta e nos espaços verdes», com vista a permitir que «o território concelhio seja, futuramente, mais resiliente no que respeita aos efeitos das alterações climáticas e aos incêndios rurais».

«São esperados ainda ganhos ao nível da qualidade da paisagem, da garantia dos fluxos de biodiversidade, da proteção e valorização socioeconómica e ambiental dos espaços florestais e, em última análise, na melhoria dos serviços prestados pelos ecossistemas e, por conseguinte, na qualidade de vida da população limiana», referiu.

A autarquia vai também elaborar o Plano de Ação Climática Municipal, que se vai juntar às respostas implementadas ao longo dos últimos anos relativamente a esta problemática, entre as quais se encontram a melhoria da eficiência energética de edifícios municipais e a redução do consumo energético na iluminação pública.

O edil destacou também a «conservação e proteção da natureza e da biodiversidade, como é exemplo a criação e gestão da Área de Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro de Arcos e da futura Área de Paisagem Protegida da Serra de Arga» e «projetos de (in)formação e sensibilização ambiental, como são os casos do Serviço Educativo da Área Protegida, o Festival Internacional de Jardins e o Festival de Jardins Escolinhas de Ponte de Lima».

Em conjunto com os jardins públicos e privados do concelho, o Festival tem contribuído para «manter bem viva a arte dos jardins em Ponte de Lima».



Outras Reportagens


Scroll Up