Espaço do Diário do Minho

“Vai e faz tu também o mesmo”

4 Jul 2022
P. João Alberto Correia

Lc 10, 25-37 é o texto do evangelho do próximo Domingo (XV do Tempo Comum). Nele se destaca a “parábola do (bom) samaritano” (Lc 10, 30b-37), sobre a qual incide a nossa atenção. Tendo em conta os seus personagens e o caminho em que a ação se desenvolve, apresentamos sete dos seus temas: um homem caído e ferido, um caminho por onde todos passam, um sacerdote equivocamente zeloso, um levita propositadamente apressado, um samaritano inesperadamente misericordioso, uma montada facilmente disponibilizada, um estalajadeiro compreensivelmente exemplar1.

1. Um homem caído e ferido (aproximação à sua identidade)

Quase automaticamente, pensamos que o homem caído na berma do caminho personifica todos os que precisam da nossa solicitude misericordiosa. E não está mal que assim o pensemos! Todavia, os Padres da Igreja viam-no como imagem da humanidade ferida de morte, da qual Jesus Cristo, Bom Samaritano, se aproxima.

2. Um caminho por onde todos passam (a metáfora do caminho)

O caminho sempre foi usado como metáfora da existência, de um personagem individual ou de um povo. Assim, a vida de Ulisses é descrita na Odisseia como um caminho de regresso a casa; nos Lusíadas, a epopeia portuguesa é contada na descoberta de um caminho e o Povo de Deus nasce quando se põe a caminho, do Egito para a Terra Prometida.

3. Um sacerdote equivocamente zeloso (exigências cultuais e funções sacerdotais)

O culto divino, garantido pelos sacerdotes, exigia o cumprimento das normas e regras da pureza cultual (cfr. Lv 21). Tornava-se, contudo, abominável aos olhos do Senhor, quando esquecia os frutos de misericórdia que deveria produzir e se ficava pelo cumprimento de regras formais e de procedimentos rituais (cfr. Is 29, 13-14; 66, 1-6; Mt 12, 7, citando Os 6, 6: “Eu quero a misericórdia e não os sacrifícios”).

4. Um levita propositadamente apressado (identidade e funções dos levitas)

Descendente da tribo de Levi, o levita era um servidor subordinado do culto. Tal como o sacerdote, também passou ao lado, a fim de não se tornar impuro e poder servir, no culto. Cumpriu a Lei, constituída de preceitos e mandamentos, na sua letra, mas não no seu espírito. Negou na vida o que, no culto, celebrava.

5. Um samaritano inesperadamente misericordioso (de excluído a inclusivo)

Desde a queda da Samaria (721 a. C.) que os samaritanos não eram bem vistos pelos judeus. As razões eram muitas e as oportunidades para se afirmar o distanciamento não só surgiam como eram procuradas. Por isso, não era de esperar que um judeu apresentasse um samaritano como paradigma e as suas atitudes como modelos a imitar. Contudo, no evangelho de Lucas, que não esconde a hostilidade dos samaritanos (9, 51-55), Jesus apresenta-os como modelos a imitar: neste texto e em 17, 11-19 (um samaritano agradecido).

6. Uma montada facilmente disponibilizada (até os animais colaboram!)

Muitas vezes e de muitos modos se fala dos animais, na Sagrada Escritura. O relevo vai para os domésticos, por fazerem parte da vida quotidiana e serem uma preciosa ajuda para o ser humano. Uma atenção particular é dada ao burro, em virtude da sua importância para o transporte de pessoas (razão de nele se colocar uma montada) e mercadorias.

7. Um estalajadeiro compreensivelmente exemplar (a arte de acolher e cuidar)

A hospitalidade é uma coordenada transversal a toda a humanidade e, por força maior, a toda a Escritura. Os motivos para tal são diversos e os seus modos vão conhecendo variantes, mas todos insistem na sacralidade do hóspede, a quem se dispensa escuta, alojamento e alimento. Se a hospitalidade tem, por regra, a marca da gratuidade, também se fala de um acolhimento pago, nas estalagens. Não é por isso que deixa de ser exemplar nem perde mérito quem faz dele e do cuidado dos outros o seu ganha pão.

Sete temas para reflexão… Se tivermos em conta as propostas do texto, e até o simbolismo do número, aqui fica um roteiro que pode ajudar-nos a sermos mais humanos e melhores cristãos, na resposta ao apelo de Jesus: “Vai e faz tu também o mesmo” (Lc 10, 37).

1 Texto denso, não é possível apresentá-lo num curto espaço (o deste artigo ou o de uma homilia). O aprofundamento dos temas pode fazer-se a partir de um caderno que elaborámos para alimentar a reflexão dos grupos Semeadores de Esperança, no ano pastoral 2020-2021.



Mais de P. João Alberto Correia

P. João Alberto Correia - 15 Ago 2022

“A Imaculada Mãe de Deus, a sempre virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assumida (assumpta est), de corpo e alma, na glória celeste”. Assim o afirmou o Papa Pio XII, a 1 de novembro de 1950, na constituição apostólica Munificentissimus Deus, pela qual proclamou o dogma da Assunção de Nossa Senhora. Uns […]

P. João Alberto Correia - 8 Ago 2022

Imolação por amor. Assim se intitula um interessante livro que, há muitos anos, li sobre Edith Stein (Santa Teresa Bendita da Cruz), cuja Memória Litúrgica se celebra amanhã, dia 9 de agosto. O livro foi escrito por Eduardo Gil Muro e editado, em parceria, pelo Apostolado da Oração (Braga) e pelas Edições Carmelo (Oeiras), no […]

P. João Alberto Correia - 1 Ago 2022

Porque o dia 31 de julho ocorreu, neste ano, a um domingo, perdeu expressão a Memória Litúrgica de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus (Jesuítas). Este facto e a grandeza do santo em questão são motivos mais que suficientes para que lhe dediquemos a crónica de hoje. Iñigo López de Oñaz y […]


Scroll Up