Espaço do Diário do Minho

A crise docente (2)

3 Jul 2022
M. Moura Pacheco

II – O ESTATUTO

Quando eu andava no Liceu (nos anos 50 do século passado – como já disse em crónica anterior sobre o mesmo assunto), a profissão de professor era socialmente muito prestigiada. Não só porque era bem paga (como também já disse), mas principalmente porque à sua função na sociedade era atribuído um estatuto superior.

Estatuto que os professores prezavam e cultivavam ciosamente. Desde a maneira como se vestiam à maneira como falavam, da maneira como viviam à maneira como agiam e se comportavam. Tudo era clássico, sóbrio, concordo que, às vezes com um bocadinho de solenidade a mais, mas sempre – dentro das variáveis de personalidade – preservando esse estatuto social respeitável e, por isso, respeitado.

Contribuía para esse respeito a sua qualidade profissional – científica, pedagógica e didáctica. Na sua maioria, os professores eram bons e muito bons. Nas margens havia as minorias dos maus e dos óptimos.

Este duplo e prestigiado estatuto – social e profissional – a par da vocação e do salário, era um dos grandes pólos de atracção para uma carreira trabalhosa (para não dizer penosa), como já, em crónica anterior, expliquei. Mas havia uma carreira – pelo que se via, atractiva e compensadora.

Ora tudo isto se perdeu. A despeito das declarações de amor e dos protestos de respeito das autoridades competentes pela profissão docente, esta já não goza, junto do Estado e do público, do prestígio social que já teve. Por um lado, porque sucessivos governos passaram a tratar os professores como funcionários de segunda, pessoal pouco qualificado. Por outro lado, porque a própria classe se «despromoveu», se «proletarizou» – na maneira como fala, na maneira como se comporta, na maneira como reage às agressões do Poder, e até na maneira como se veste e se apresenta. E, sobretudo, no exagerado informalismo de práticas e modos que, por seu passo, levam à famosa perda de autoridade da Escola – outro golpe duro no prestígio social da docência.

Lembro, a propósito, as reacções públicas à «avaliação de desempenho» que a então Ministra de Educação Lurdes Rodrigues pretendeu fazer contra os professores, em vez de a fazer com os professores. Estes, embora cheios de razão, lamentavelmente, reagiram em manifestações de rua do mais baixo nível cívico: aos saltos, aos gritos, com cartazes grotescos e cantigas pimba. Em manifestações posteriores, o estilo manteve-se, com a classe a desautorizar-se a si própria e a contribuir para que a parte contrária (o Ministério) lhe perdesse o respeito.

E a terminar lembro ainda um senhor Professor que um dia vi na televisão, em mangas de camisa e envergando um colete desabotoado, a clamar pela perda de «status» (como ele dizia) e de prestígio social da docência. Não se percebe tal clamor com tal informalidade.

Não sei como se devolve à profissão docente o estatuto motivador da carreira, sem o qual esta continuará pouco atractiva para jovens diplomados. Sei que não se faz por decreto. Mas faz-se com ajuda empenhada do Governo na auto-regeneração da classe. Por respeito a si própria.

Nota: por decisão do autor, o presente texto não obedece ao impropriamente chamado acordo ortográfico.



Mais de M. Moura Pacheco

M. Moura Pacheco - 27 Jul 2022

VII – A selecção Entramos aqui num dos processos mais difíceis (e mesmo dolorosos) da resolução do magno problema da crise docente: a selecção dos professores. Não é negligenciável (é mesmo condenável) admitir na carreira docente quem para ela não tem, além da preparação técnico-científica, uma clara vocação docente, de que já aqui largamente falámos […]

M. Moura Pacheco - 20 Jul 2022

VI – A formação. Sem formação adequada nunca haverá professores competentes – por mais apelativa que seja a vocação para a função, de que já aqui falamos em crónica anterior. Se é verdade que essa vocação é condição sine qua non para assumir a carreira, não é menos verdade que assumi-la sem formação é neutralizar […]

M. Moura Pacheco - 13 Jul 2022

V – A vocação Vocação quer dizer chamamento. Só quem se sente «chamado» pela profissão docente poderá vir a ser um professor capaz, eficaz, produtivo – numa palavra, um profissional competente. Este chamamento não tem nada de transcendente ou de metafísico. Significa, tão só, a apetência e o gosto pela tarefa de ensinar. Por sua […]


Scroll Up