Fotografia: DR

Casos de crianças e jovens em risco aumentaram em Famalicão em 2021

Dados estatísticos identificam violência doméstica como principal perigo.

28 Jun 2022

Em 2021, pelo terceiro ano consecutivo, o número de processos acompanhados pela CPCJ de Vila Nova de Famalicão aumentou. No ano passado o volume processual chegou aos 845 casos, mais 103 que em 2020, embora o ano tenha terminado com menor número de processos pendentes, que passou dos 493 de 2019, para 360 no final de dezembro do ano passado.

Aqueles dados estatísticos foram divulgados, ontem, pela presidente da CPCJ (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens) de Vila Nova de Famalicão, Andreia Oliveira, que indicou «a violência doméstica», como principal situação de perigo sinalizada, seguindo-se, à semelhança do ano de 2020, «o absentismo escolar, onde as questões mentais, muitas delas associadas à pandemia, se fizeram sentir com maior ênfase». As principais fontes sinalizadoras foram a Autoridade Policial (GNR e PSP), os Estabelecimentos de Ensino e anónimos.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up