Espaço do Diário do Minho

Comemoração da Fundação de Portugal

23 Jun 2022
Narciso Machado

De Guimarães o campo se tingia

Co´o sangue próprio da intestina guerra

Onde a mãe, que tão pouco o parecia,

A seu filho negava o amor e a terra.

Com ele posto em campo já se via;

não vê a soberba o muito que erra

Contra Deus, contra o maternal amor;

Mas nela o sensual era maior.”

Lusíadas : Canto IIII, 31

Era de 1166 (1128 da era cristã) : no mês de junho, festa de S. João Batista, o ínclito infante Afonso travou com eles, indignos estrangeiros da nação, combate no campo de S. Mamede, próximo do castelo de Guimarães .Venceu-os e prendeu-os na sua fuga…” (In “Crónica dos Godos”- doc. dos fins do sec. XII).

Num feriado apenas municipal, os vimaranenses comemoram mais um aniversário da Batalha de S. Mamede, considerada como o primeiro ato da Fundação de Portugal, já que a derrota do infante Afonso representaria a perda, sem remissão, da causa nacional.

Em escritos anteriores recordei a figura de D. Afonso Henriques como militar e político, abordando ainda as várias tentativas para a sua canonização: “pio, beato e santo”. Agora, nesta comemoração aniversária, pretendo recordá-lo no âmbito da diplomacia, junto da Cúria Romana.

O Vaticano foi o primeiro Estado a reconhecer Portugal como uma nação independente. Tal facto deve-se a D. Afonso Henriques e à sua diplomacia. Na verdade, além de um exímio militar e político, D. Afonso Henriques foi também um excelente diplomata. Na tentativa de evitar laços de vassalagem pretendidos por Leão e Castela e obter a garantia e consolidação do Reino, o nosso primeiro monarca promoveu imensas diligências no sentido da constituição de uma vassalagem ao Papa Inocência II, o que fez em 1143, nas mãos do Cardeal Guido de Vico, encomendando o território português a S. Pedro e à Igreja Romana.

Documentando esse ato de enfeudamento, enviou ao Papa a carta “Claves Regni Coelorum”, prometendo um tributo anual de quatro onças de ouro, mas pondo como condição de “gozar da proteção papal, para si a para a dignidade e categoria de reino e não reconhecer qualquer senhorio espiritual ou temporal, exceto o Papa e seus delegados. Na conquista do reconhecimento papal da independência do reino, D. Afonso Henriques teve a ajuda preciosa do arcebispo de Braga, D. João Peculiar, considerado por alguns autores como seu ministro de negócios estrangeiros.

  1. Afonso Henriques promoveu, simultaneamente, a constituição de uma Igreja nacional dependente da primazia bracarense e não de Toledo. Nessa altura, a Cúria Romana dava a D. Afonso Henriques o título de “dux”. Apenas em 1179, no pontificado de Alexandre III, é que a existência do reino de Portugal e a dignidade real de D. Afonso Henriques foram reconhecidas pela bula “Manifestis Probatum”, emitida a 23 de maio daquele ano. Por este diploma, o Papa Inocência III, “considerando D. Afonso Henriques “pessoa provida de prudência e dotado de justiça e idóneo para um governo de um povo, aceita-o, e aos seus sucessores, sob a proteção papal e de S. Pedro, com a dignidade do reino, com todas as terras que, com o auxílio da Graça Celeste, ganhar aos sarracenos…”

  2. Em conclusão, dir-se-á que, na procura de um dia para comemoração da Fundação de Portugal, essa data só pode ser o dia 24 de Junho, como insistentemente tem sido defendido pela GRÃ ORDEM AFONSINA, associação sediada em Guimarães.



Mais de Narciso Machado

Narciso Machado - 17 Mai 2022

No passado dia 9 de maio, o Presidente de câmara de Braga e o Alcaide de Santiago de Compostela, no salão nobre do Paço de Roxoi, assinaram um acordo de geminação das duas cidades, concluindo um processo que havia sido iniciado em 2019. Assim, a geminação aconteceu em pleno Ano Jacobeu (2021-2022), cuja rota tem […]

Narciso Machado - 25 Abr 2022

Com o 25 de Abril deste ano, iniciam-se os preparativos para as comemorações dos “50 anos da Revolução de Abril”. Em consequência, julgo oportuno lembrar o que se passava na justiça, durante a vigência do anterior regime político. Os Tribunais Plenários (TP) foram criados em 1945, no Porto e Lisboa, para julgar todos os crimes […]

Narciso Machado - 6 Abr 2022

Está a decorrer, no distrito de Braga, a semana da interculturalidade. Segundo os seus mentores, a semana tem por objetivos principais “sensibilizar os cidadãos para a necessidade de uma sociedade intercultural que tenha presente os valores da solidariedade e da não discriminação de forma a garantir uma cidadania mais inclusiva e mais igualitária”. No distrito […]


Scroll Up