Espaço do Diário do Minho

Humor: ter graça ou ser engraçado?

23 Mai 2022
António Silvio Couto

Indiscutivelmente o humor é uma arte e exercê-la não é para quem quer, mas para quem sabe… dado que é muito mais do que jeito, habilidade ou aceitação popular. De vez em quando surgem razoáveis humoristas: uns com talento, outros bem promovidos e outros ainda com subtil catapultação (sabe lá de quem, mas com suficiente auréola que faz desconfiar)… O humor – tenha a expressão visível, cultural ou social que tiver – é preciso. No entanto, nem tudo o que faz rir é humor, antes poderá ser rumor de outras questões e intenções…

1. Como podemos entender – hoje como no passado – o humor? Será que riso e humor se podem identificar ou como se distinguem? Podemos considerar que Deus tem humor? Qual o significado da frase: ‘a rir se corrigem os costumes’ (ridendo castigat mores)? Porque será que o ser humano é o único que ri e não será o único que faz rir? Como interpretar a expressão: rideo te, rideo tibi (rio-me de ti, rio-me para ti)? Como conciliar o cómico com o sério, sem este se tornar sisudo? Será um dom fazer rir, sem deixar descambar a questão para o vulgar, anedótico ou burlesco? Ainda tem sentido a frase – ‘um santo triste, é um triste santo’? Poderemos considerar que há algo de frívolo no humor e até no riso? Não serão estes, pelo contrário, uma arte que nem todos conhecem nem são capazes de entender?

Estas questões – e tantas outras – não resumem nem aglutinam questionamentos sobre o humor. Tentarei abordar algumas, deixando a quem ler, sugestões para procurar as suas respostas…

2. O humor pode entender-se como a disposição de ânimo de uma pessoa em relação a alguma coisa ou a algum momento; estado de espírito, temperamento… veia cómica, ironia delicada e alegre, ditos e gestos engraçados e espirituosos…

A forma de exprimir o bom humor pode ser variada e variável, talvez mais em função de com quem se está do que de quem tenta manifestar esse (bom) humor. Quem não conhece a distinção entre o palhaço triste (por dentro) que tenta fazer rir (os outros), mesmo na sua íntima tristeza?

Na abertura do seu livro, de 1968, o teólogo Joseph Ratzinger, no excelente livro ‘Introdução ao cristianismo’, deixou uma estória digna de nos fazer refletir.

Certo dia houve um incêndio num circo ambulante. Quando o diretor se apercebeu de que algo estava a arder, chamou o palhaço – era o único que já se encontrava vestido e maquilhado a preceito – para que fosse à vila mais próxima, à procura de ajuda, avisando a população de que havia um incêndio no circo e que, se não viessem ajudar, todos corriam perigo.

Ao verem o palhaço neste estado os habitantes acharam que desta vez o circo se tinha esmerado em inventar uma forma de chamar gente para o seu espetáculo.

Mas quanto mais o palhaço apelava para que fossem acudir ao incêndio mais a população se ria, pois o palhaço chorava para que todos fossem ajudar e eles consideravam que aquilo fazia parte da propaganda.

Todos se riam, mas o palhaço sentia ainda mais vontade de chorar, procurando convencer todos de que o assunto era mesmo sério: havia, de facto, um incêndio.

Mas o seu desempenho ainda deixava a população mais a rir… Ora, o fogo atingiu a vila. Já era tarde… E o fogo consumiu o circo e a vila.

Não andaremos compungidos demais a querer apelar a uma conversão demasiado séria e que já poucos levam a sério? Como poderemos aliviar a mensagem sem a vulgarizar nem nos ridicularizarmos?

3. Depois de termos visto um comediante a ascender ao governo da Ucrânia, como reagiríamos se tal acontecesse em Portugal? Quem seria o eleito a assumir tal função? Teria estofo e a mínima qualidade?

Cheira a quase-insuficência inteletual que alguns setores da Igreja católica recorram a comediantes em maré de sucesso para irem ‘pregar’ a encontros eclesiásticos. Será que eles retribuiriam tal simpatia nos seus quadros e iniciativas. Fareja-se algo de indisfarçável incompreensão que certas comediantes usem o espaço de atividade ‘católica’ para se promoverem e lançarem as suas atoardas desconexas e ridicularizantes…



Mais de António Silvio Couto

António Sílvio Couto - 4 Jul 2022

Numa discussão de rua podemos registar duas filhas e duas mães, dirimindo contendas do foro familiar, social e até pessoal. Dizia uma mãe à filha: chama-lhe (um impropério não reproduzível aqui), antes que te chame… algo que possa ofender a tua honra ou honorabilidade. Embora umas e outras estivessem no mesmo patamar moral/ético, quanto ao […]

António Sílvio Couto - 27 Jun 2022

A perfazer três meses de funções, o XXIII governo constitucional parece abrir – ou será a continuar? – fissuras, sobretudo em três campos de atividade: saúde, educação e justiça, se bem que outros, como a segurança (conflitos e distúrbios) e o ambiente (seca) também manifestem problemas mais ou menos visíveis e a exigirem solução a […]

António Silvio Couto - 20 Jun 2022

Apresentado como um ‘produto’ de matiz popular, as (ditas) marchas voltaram ao serão na véspera de S. António. Proposto como marca dos (ditos) santos populares, as tais marchas ocupam horas e horas de televisão (estatal, isto é, paga pelos impostos de todos), impondo ao país uma pretensa forma ‘cultural’ das franjas (ou bairros) da capital, […]


Scroll Up