Fotografia: DR

Motorista e dono de autocarro que se despistou na A1 é uma das vítimas mortais

O homem era natural da localidade de Airão, em Guimarães, sendo que as outras vítimas mortais, um homem e uma mulher, eram da freguesia de Sampaio, no mesmo concelho.

Redação/Lusa
21 Mai 2022

O motorista e dono do autocarro que esta manhã se despistou na A1 é uma das vítimas mortais do acidente, que causou mais dois mortos, cinco feridos graves e 22 ligeiros, adiantou à Lusa um familiar de um passageiro.

Segundo aquela fonte, o proprietário da empresa Transportes Roda do Rei era o motorista do autocarro que se despistou na zona da Mealhada e embateu num poste de eletricidade, cerca das 09:30.

O homem era natural da localidade de Airão, em Guimarães, sendo que as outras vítimas mortais, um homem e uma mulher, eram da freguesia de Sampaio, no mesmo concelho, no distrito de Braga.

O autocarro saiu esta manhã, juntamente com outros dois, em peregrinação ao Santuário de Fátima.

Segundo informações prestadas no local pela médica do INEM Paula Neto, as vítimas mortais têm “entre os 60 e os 70 anos”, sendo que as idades dos feridos ligeiros rondam “os 40, 50 anos”, havendo também duas crianças “com cerca de dois anos” entre as vítimas ligeiras.

Três dos feridos graves foram encaminhados para o Hospital Universitário de Coimbra e os outros dois para o Hospital de Aveiro.

No local está também a GNR, que adiantou que a A1 vai permanecer fechada ao transito “pelo menos mais uma hora” nos dois sentidos.

“Estamos a fazer o corte efetivo da A1 nos dois sentidos para garantir condições aos operacionais. Primeiro vai abrir a circulação no sentido Norte-Sul e depois no sentido Sul-Norte”, afirmou.

O militar presente no terreno apontou como alternativas à circulação a EN1, a EN109 e a EN335.

Segundo o militar “no terreno estão elementos do Núcleo de Investigação de Crimes em Acidentes de Viação (NICAV) a recolher informações, mas ainda é muito prematuro falar”, no entanto, referiu, “há possibilidade de um pneumático ter rebentado”.

Carlos Tavares, da Proteção Civil, apontou que no local estiveram 57 viaturas, das quais cinco eram médicas e duas ambulâncias com suporte imediato de vida, 130 operacionais, um helicóptero, que acabou por não ser necessário utilizar, e duas equipas de apoio psicológico.

Um familiar de um dos feridos ligeiros explicou à Lusa, esta manhã, que o autocarro acidentado saiu de Guimarães, juntamente com outros dois, no âmbito de uma peregrinação até ao Santuário de Fátima.

Cerca das 09.30 o autocarro despistou-se tendo embatido contra um poste de eletricidade.





Notícias relacionadas


Scroll Up