Fotografia: DR

Externato Paulo VI encerra cinquentenário com bênção apostólica do Papa

A sessão incluiu a bênção de um quadro alusivo da autoria do pintor Vítor Carneiro.

Redação
15 Mai 2022

O Externato Paulo VI promoveu esta sexta-feira uma sessão de encerramento das comemorações do cinquentenário. Um dos momentos altos da iniciativa foi a apresentação do quadro com a bênção apostólica do Papa Francisco, concedida à Comunidade Educativa do Externato Paulo VI por ocasião da data festiva.

Na mensagem que acompanha esta bênção, o Santo Padre lembra os professores, alunos e respetivas famílias, as Religiosas Escravas da Santíssima Eucaristia e da Mãe de Deus, a direção e o pessoal auxiliar, sob a «materna assistência e proteção da Virgem Maria».

As comemorações dos 50 anos do estabelecimento de ensino, frequentado por 540 alunos, deveriam incluir uma deslocação a Roma e uma audiência com o Santo Padre, mas a conjuntura pandémica não permitiu que tal acontecesse.

Na sessão comemorativa, a Irmã Vitória Monteiro, delegada da Superiora Geral das Escravas da Santíssima Eucaristia e da Mãe de Deus, afirmou que «a educação é uma joia para a humanidade e uma marca». «Neste momento de crise da educação, o grande desafio é apostar mais e com mais coragem e força que a formação do homem é tudo na humanidade. A nossa missão é educar pessoas boas, bons cidadãos».

Lembrando todos os educadores e colaboradores docente e não docentes, a Irmã Vitória Monteiro afirmou que o Externato «tem uma história muito bonita, que marca a história da educação em Braga». É importante «continuar a sonhar com a Madre Trindade», a fundadora da Congregação, «conduzindo as crianças a Jesus Eucaristia, para serem trabalhadas por dentro».

A diretora titular do Externato, Irmã Teresa Semedo, salientou que o Externato quer dar continuidade ao projeto que tem vindo a desenvolver, «com paixão, garra, firmeza e determinação».

Agradecendo a Deus os 50 anos de missão educativa e salientando o humanismo que marca a identidade e o ideário da instituição, a responsável recordou os alunos que foram passando pelo Externato e «deixaram a sua marca. Mas o melhor foi o que levaram para a vida. Muitos dos ex-alunos estão por este mundo fora a colaborar na construção de uma sociedade mais humana, cristã e feliz».

A Irmã Teresa Semedo destacou a inovação pedagógica implementada nos últimos anos, nomeadamente através de metodologias de ensino baseadas nas inteligências múltiplas, e referiu que «mais do que uma escola» o Paulo VI «é uma família». O Externato «é o que é hoje graças à generosidade da Congregação, dos benfeitores e dos grandes profissionais que sempre teve a seu lado, em prol da formação integral dos alunos».

Embora ao longo destes 50 anos o Externato tivesse conseguido «muitos êxitos», também foram recordados alguns «momentos de provação» que foram sendo ultrapassados com a colaboração de todos.

A sessão ficou ainda marcada pela evocação dos primeiros responsáveis do Externato, nomeadamente a Irmã Rosalina Lopes de Barros, primeira diretora do Externato, que faleceu no ano passado.

Na celebração foi lembrada por diversas vezes a importância do papel da fundadora da Congregação, Madre Trindade, uma pessoa «corajosa determinada, persistente e com o coração a extravasar de amor», como referiu a Irmã Teresa Semedo. Ela «deixou um grande legado, a que podemos dar continuidade», frisou.

A sessão de sexta-feira incluiu ainda a bênção de um quadro da autoria do pintor Vítor Carneiro, alusivo a Madre Trindade e à sua ligação com as crianças. Explicando a obra, o autor referiu que «Deus deu-nos a vida, a luz para vermos mais longe, a natureza para nos alimentarmos e contemplarmos, as crianças para nos dar alegria e pureza e muitos exemplos a seguir, como os Santos e Madre Trindade». Mas as escolhas são de cada um, fez questão de frisar.





Notícias relacionadas


Scroll Up