Fotografia: Arquivo DM

Incêndios: Dispositivo de combate mais seguro e de maior confiança – Governo

Ministro apelou aos proprietários para que limpem os terrenos

Redação/ Lusa
14 Mai 2022

O ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, disse hoje que o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), este ano, é mais seguro e de maior confiança, apelando aos proprietários para que limpem os terrenos.

“O dispositivo hoje é um dispositivo mais seguro, que suscita mais confiança, que tem mais meios e que também tem mais competências e mais conhecimento científico agregado ao planeamento e à resposta”, afirmou José Luís Carneiro, em Castanheira de Pera, norte do distrito de Leiria, na apresentação do DECIR, onde estiveram outros membros do Governo.

À margem da iniciativa, o governante foi questionado sobre os incêndios de 2017 e salientou que, assim como o dispositivo, “todo o país está melhor preparado para lidar com situações dessa natureza”, mas reconheceu que “há sempre aspetos de complexidade que são imprevisíveis”.

“Seria, aliás, irresponsável se pudéssemos dizer que todas as variáveis estavam hoje absolutamente controladas. Não estão. Há variáveis que estão para além do conhecimento que existe, como aliás aconteceu em 2017 e que fez com que, efetivamente, o conhecimento que existia até então não foi suficiente para enfrentar aquela complexidade”, observou.

O ministro reiterou haver consciência de que existem “fatores de imprevisibilidade que superam toda a capacidade de diagnóstico, de prospetiva e de planeamento”.

“Além do dispositivo que foi apresentado aqui, há um trabalho, digamos, de antevisão que tem vindo a ser desenvolvido e aperfeiçoado nos últimos cinco anos, por força também desta experiência triste, lamentável, que nos consternou e que deixou o país de luto”, declarou.

Aos jornalistas, José Luís Carneiro destacou no DECIR o reforço de meios humanos e meios materiais, o que se traduziu em mais meios financeiros.

“É evidente que nada dispensa, antes supõe, exige um comportamento responsável de todas e todos os cidadãos naquilo que são os seus deveres essenciais”, frisou, realçando que “o primeiro dever essencial tem mesmo que ver com as limpezas em torno das habitações”.

Segundo o governante, “está amplamente demonstrado que esse esforço de limpeza em torno das habitações é fator de segurança para os bens, para o património das pessoas e, também, das suas próprias vidas”.

Considerando ser evidente que “os meios de ‘per si’ não dão resposta completa, integrada, sistemática ao conjunto do desafio, que é muito complexo e muito exigente para todos”, o ministro da Administração Interna apelou aos cidadãos “para que não deixem de cumprir aquilo que são as suas obrigações”.

Os incêndios que deflagraram em junho de 2017 em Pedrógão Grande, e que alastraram a concelhos vizinhos, incluindo Castanheira de Pera, provocaram a morte de 66 pessoas, além de ferimentos a 253 populares, sete dos quais graves. Os fogos destruíram cerca de meio milhar de casas e 50 empresas.

Já em outubro de 2017, na região Centro, os fogos provocaram 49 mortos e cerca de 70 feridos, registando-se ainda a destruição, total ou parcial, de cerca de 1.500 casas e mais de 500 empresas.

O Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais deste ano conta com um aumento de 7% de operacionais num total de 12.917 elementos na fase mais crítica.

A diretiva operacional nacional, que estabelece o DECIR, refere que em todas as fases de empenhamento de meios, cujo primeiro reforço acontece no domingo, há um aumento de operacionais e viaturas, mantendo-se os meios aéreos em igual número a 2021.





Notícias relacionadas


Scroll Up