Fotografia:

Obesidade é epidemia na Europa

Relatório da OMS alerta que “de forma alarmante, tem havido aumentos consistentes na prevalência do excesso de peso e obesidade na região europeia”.

3 Mai 2022

A obesidade e excesso de peso têm dimensão de epidemia nos países da região europeia e só pioraram com a pandemia, revelou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

No Relatório da Obesidade 2022 divulgado hoje, a OMS alerta que “de forma alarmante, tem havido aumentos consistentes na prevalência do excesso de peso e obesidade na região europeia [que compreende 53 países, da Islândia ao Tajiquistão] e nenhum estado-membro está ao alcance da meta de travar o aumento da obesidade até 2025”.

Quase dois terços dos adultos e 8% das crianças com menos de cinco anos têm excesso de peso, aponta a OMS, salientando que a pandemia de covid-19 teve um impacto “desfavorável no consumo de alimentos e padrões de atividade física”, com as ordens de confinamento emitidas pelos governos a afetarem “de forma desproporcional as pessoas que vivem com excesso de peso e obesidade”.

Por outro lado, o facto de a obesidade ser um fator de risco para casos mais graves de covid-19 levou a que as pessoas com este problema se tenham isolado mais em casa, com inúmeras aplicações digitais de entrega de comida à disposição, com acesso fácil a comidas com alto teor de sal, gordura e açúcar, cujo impacto específico ainda está por conhecer.

Entre a população adulta na região europeia, há uma prevalência de 59% de excesso de peso, mais elevada nos homens (63%) do que nas mulheres (54%).

A obesidade atinge 23,3% da população na região europeia, a segunda taxa mais alta do mundo, a seguir à região das Américas.

As medidas tomadas para conter o contágio por covid-19 fizeram subir os níveis de excesso de peso e obesidade entre crianças e adolescentes, conclui a OMS a partir de dados preliminares, agravando uma situação que já é preocupante: até aos cinco anos, a prevalência de excesso de peso e obesidade é de 9% e dispara para 30% nas idades entre os cinco e os nove anos.

Na adolescência, a prevalência da obesidade desce para 25% mas a OMS regista que entre 1975 e 2016, os números do excesso de peso e da obesidade triplicaram entre os rapazes com idades entre cinco e 19 anos e mais do que duplicaram entre as raparigas com as mesmas idades.

Nos adultos a prevalência da obesidade aumentou 138% entre 1975 e 2016. Só entre 2006 e 2016, o aumento foi de 21%.

Entre as várias consequências para a saúde está o risco aumentado de cancro.

“A obesidade é causa direta provável de pelo menos 200.000 casos de cancro anuais, um número que se prevê que aumente nas próximas décadas”, para além de ser responsável por “1,2 milhões de mortes anuais” na região europeia da OMS.

“Para alguns países da região, prevê-se que a obesidade ultrapasse o fumo como fator de risco principal para cancros evitáveis nas próximas décadas”, refere a OMS, apontando o excesso de peso como causa de pelo menos 13 tipos diferentes de cancro, incluindo cancros da mama, colorretais, dos rins, fígado e ovários.

As recomendações da OMS incluem mais impostos sobre alimentos “não saudáveis” e restrições na sua “venda, publicidade e tamanho de porções”, a par de “subsídios para aumentar o consumo de fruta e vegetais”.

Neste âmbito, a OMS destaca Portugal como país que “desde 2019 tem uma lei que restringe a publicidade de bebidas e alimentos ricos em gordura, sal e açúcar, que só podem ser publicitados se estiverem de acordo com os modelos nutricionais portugueses, baseados nos da OMS Europa”.

“Algumas violações da lei foram denunciadas e encaminhadas para o sistema judiciário pela autoridade competente, mas estes processos demonstraram ser complexos e desafiantes para provar”, ressalva a OMS, salientando que para se poder cumprir uma lei destas, é preciso “um sistema de monitorização rigoroso, especialmente com as novas tecnologias e técnicas” do ‘marketing digital’.

Recomenda ainda que “todas os alimentos e bebidas servidos ou vendidos em ambientes públicos contribuam para a promoção de dietas saudáveis” e que se controle “a concentração de estabelecimentos de comida não saudável” na vizinhança de escolas.

Na frente do exercício físico, recomenda que as populações tenham “acesso conveniente e seguro a espaço público aberto e de qualidade”, bem como incentivos como “caminhos pedestres seguros, ciclovias locais e percursos pedonais orientados por adultos para crianças dos estabelecimentos de educação locais”.

Devem ainda existir “serviços para gestão do excesso de peso e obesidade” integrados nos cuidados de saúde universais, defende.

De acordo com os dados da OMS, 57,5% da população adulta em Portugal em 2016 tinha excesso de peso. Olhando só para as mulheres, o excesso de peso afetava 52%, enquanto nos homens a prevalência estava em 63,1%.

Das pessoas com excesso de peso, 20,3% eram consideradas obesas, com uma prevalência semelhante para homens e mulheres.

Ainda em Portugal, em números atualizados em 2020, 8,5% das crianças com menos de cinco anos têm excesso de peso, no que se incluem os casos de obesidade.

Para a faixa entre os cinco e os nove anos, dados de 2016 indicavam uma prevalência de excesso de peso de 37,2% e obesidade nos 15%.

Também em números de 2016, para os jovens com idades entre os 10 e os 19 anos, 31,2% tinham excesso de peso e 8,7% obesidade. A OMS cita também números de 2012 que indicam que mais de 40% dos adolescentes não comiam nem fruta nem vegetais diariamente.

A OMS nota um aumento na percentagem de mulheres com excesso de peso durante a gravidez, apontando Portugal, Espanha, Reino Unido, Irlanda e Hungria como países em que “se estima que mais de 20% das mulheres tenham obesidade quando engravidam”, uma tendência acentuada em mulheres “de estratos socioeconómicos mais baixos”.





Notícias relacionadas


Scroll Up