Fotografia: Laurence Figa-Talamanca/EPA

António Guterres diz que uma guerra no século XXI é um absurdo

Secretário-geral da ONU visita Borodianka, nos arredores da capital ucraniana.

Redação/Lusa
28 Abr 2022

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse hoje que “uma guerra no século XXI é um absurdo”, à chegada a Borodianka, nos arredores da capital ucraniana.

“Imagino minha família numa dessas casas que estão agora destruídas e enegrecidas. Vejo as minhas netas a correr em pânico. A guerra é um absurdo no século XXI, nenhuma guerra é aceitável no século XXI”, disse o secretário-geral das Nações Unidas.

António Guterres fez essas declarações aos jornalistas diante de casas em ruínas em Borodianka, acompanhado por soldados ucranianos e autoridades locais.

O secretário-geral da ONU chegou na manhã de hoje a Borodianka, localidade onde os ucranianos acusam os russos de terem cometido crimes durante a ocupação da região em março, relatou a agência de notícias France-Presse (AFP).

Nesta que é a sua primeira visita à Ucrânia desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro, António Guterres tem encontro marcado para esta tarde com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, tendo visitado também durante a manhã as localidades de Bucha e Irpin.

Em Bucha, o secretário-geral das Nações Unidas sublinhou a importância de uma investigação sobre a eventuais crimes de guerra.

“Apelo à Federação Russa para que aceite e colabore com o Tribunal Penal Internacional”, disse Guterres durante a sua visita a uma vala comum, expressando “total apoio” a uma investigação do TPI.

“Quando falamos de crimes de guerra não podemos esquecer que o pior dos crimes é a própria guerra”, acrescentou.

António Guterres visitou ainda Irpin onde sublinhou que “sempre que há uma guerra o preço mais alto” é pago pelas populações.

O secretário-geral da ONU chegou à Ucrânia na noite de quarta-feira após uma visita a Moscovo na terça-feira, onde se encontrou com o Presidente russo, Vladimir Putin, e pediu à Rússia que trabalhe com a ONU para permitir a retirada de civis de áreas bombardeadas, principalmente no leste e sul da Ucrânia, onde a Rússia está a concentrar a sua ofensiva.





Notícias relacionadas


Scroll Up