Fotografia: DR

“Braga Romana” está de regresso e traz “Circus Maximus” como grande atração

De 25 a 29 de maio todos os caminhos vão dar à Opulenta e Aeterna Cidade de Bracara Augusta, fundada há mais de dois mil anos pelo imperador César Augusto. Serão cinco dias para Braga celebrar em festa a sua identidade e o seu riquíssimo legado romano.

Carla Esteves
23 Abr 2022

O Circus Maximus será a grande novidade do programa da edição 2022 da ´Braga Romana, que decorrerá de 25 a 29 de maio, trazendo de volta uma das celebrações mais acarinhadas por bracarenses e pelos muitos turistas que por estes dias se deslocam à cidade para reviver o quotidiano dos bracaraugustanos.

Inspirado nos gladiadores que se enfrentavam em lutas brutais para entretenimento dos romanos, ancorando a sua existência na glória da vitória ou na morte na arena, nos dias 28 e 29 de maio, o Circus Maximus transformará o Largo do Pópulo numa arena romana, prometendo fazer vibrar de emoção os que assistirem aos espetáculos.

As exibições do Circus Maximus decorrerão no dia 28 de maio, às 21h30 e no dia 29, às 18h30, fazendo vislumbrar alguns dos momentos vividos no Coliseu de Roma, o maior anfiteatro já construído, que acomodava até 80 000 espectadores.

Além do Circus Maximos, entre o riquíssimo programa que promete proporcionar este regresso às origens romanas de Braga os eventos mais acarinhados são, sem dúvida, as recriações históricas, com destaque para “Romanae Nuptiae”, o Casamento Romano, sinónimo de festa e alegria e, na grande maioria dos casos, de grandes alianças políticas e económicas.

Este ano a recriação será patrocinada pela Braga Noivos, através do concurso “Casamento Romano – Ubi Tu Gaius Ego Gaia, da Braga Romana, promovido em parceria com a BragaNoivos. As inscrições já estão abertas no link https://forms.office.com/r/fMrSR9S6wq

A recriação promete, como sempre, um ritual da cerimónia recheado de momentos simbólicos da mitologia clássica e de elementos lúdicos.

Se há recriação de casamento, não faltará igualmente a recriação do “Dies Lustricus”, o Batizado Romano, assegurada pela Equipa espiral.

Nascida uma criança, esta era sujeita à aprovação do Pai (Pater Familias) que ao pegar nele (Tollere filium) indicava a sua aceitação. Após aceite, somente passados oito dias para as raparigas e nove para os rapazes, ocorria o Dies Lutricius, uma cerimónia de purificação, com a dádiva do seu nome e da respetiva família, para apresentação à sociedade.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up