Fotografia: DR

Descarga de óleo e gasóleo no ribeiro de Radivau queima vegetação

Presidente da Junta de Freguesia acredita que a descarga deve ser de oficinas.

Redação/Lusa
22 Abr 2022

O presidente da Junta de Freguesia de São Romão do Neiva detetou hoje, às 10:30, uma descarga de “óleos ácidos e gasóleo” no ribeiro de Radivau, junto à zona industrial de Neiva, que “queimou” a vegetação na envolvente.

“A descarga deve ser de oficinas, porque cheira a gasóleo e óleo. A descarga continha vestígios de óleos ácidos e gasóleo. A vegetação lateral do ribeiro ficou queimada”, afirmou Manuel Salgueiro.

O autarca socialista alertou o Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR de Viana do Castelo.

“Colheram amostras, mas não têm meios para detetar o infrator. Para encontrar a origem destas descargas tem de ser com uma equipa especializada e com um robô. Está a ser organizada essa perícia”, adiantou Manuel Salgueiro.

A Lusa enviou hoje, por escrito, um pedido de esclarecimento à Agência Portuguesa do Ambiente (APA), mas ainda não obteve resposta.

Questionada pela Lusa, a vereadora do Ambiente da Câmara de Viana do Castelo, Fabíola Oliveira, manifestou-se “preocupada” e adiantou “que a APA já foi informada e que os serviços técnicos foram ao local”.

“A APA já tem conhecimento”, sublinhou a responsável.

Na quinta-feira, o autarca de São Romão do Neiva detetou outra descarga, às 16:40, tendo alertado as autoridades. Na altura, a Lusa enviou, também por escrito, um pedido de esclarecimento, mas ainda sem resposta.

Na semana passada, aquando de uma anterior descarga, a APA disse estar a investigar a origem das “rejeições de águas residuais” naquele ribeiro através de diligências da Administração de Região Hidrográfica (ARH) do Norte, em articulação com o Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) da GNR de Viana Do Castelo.

“Das diligências já realizadas pelo NPA da GNR, anteriormente e hoje, verifica-se que as descargas ocorrem através de condutas de águas pluviais e numa linha de água que se encontra entubada ao longo da referida zona industrial, o que dificulta as ações em curso para identificação da sua origem”, sustentou, na altura, a agência tutelada pelo Ministério do Ambiente.

A APA “prevê a realização de novas ações, em articulação com o NPA da GNR e outras entidades locais, com recurso a meios especializados que permitam a realização das diligências de forma mais eficiente”.

Desde janeiro, detetadas pelo presidente da Junta de São Romão do Neiva somam-se seis descargas poluentes no ribeiro Radivau, que desagua no rio Neiva, entre Castelo do Neiva, em Viana do Castelo, e, Antas, no concelho de Esposende, distrito de Braga, e que no verão é “muito utilizado” para a prática balnear.





Notícias relacionadas


Scroll Up