Fotografia: DR

Bispo de Viana desafia a ir às raizes do Mistério Pascal

D. João Lavrador diz que os tempos de hoje exigem «iluminação» e «discernimento».

Jorge Oliveira
4 Abr 2022

O bispo da diocese de Viana do Castelo, D. João Lavrador, desafia os diocesanos a celebrarem a Páscoa indo ao encontro das raízes dos acontecimentos e a expressarem na vida comunitária a «riqueza» desta celebração.

«Qualquer que seja a vossa condição, não vos resigneis a passar mais uma Páscoa, mas, pelo contrário, assumi uma atitude corajosa de caminhar ao encontro das raízes dos acontecimentos e da Pessoa que lhe estão na origem», apela o prelado na sua primeira mensagem pascal aos diocesanos de Viana do Castelo.

D. João Lavrador lembra que tanto o judaísmo como o cristianismo reconhecem a Páscoa «como central na sua vivência como povo».

«Em tempos a necessitar de aprofundamento das raízes culturais que estão na génese da sua própria evolução, reveste-se da máxima importância, tanto para a Europa, como para cada país que a compõe, a consciência da importância da celebração da Páscoa», sustenta.

Nesse sentido, o bispo de Viana propõe um itinerário que se traduza «em levar à nossa cultura e à nossa sociedade os valores e critérios que se desprendem da vivência pascal».

«Não podemos iludir os tempos que vivemos de tragédia motivada pela guerra e mesmo do sofrimento que ainda nos atinge devido à pandemia. São Sinais dos Tempos a exigir iluminação, discernimento e compromisso de todos e que reclamam novas atitudes e propostas para edificarmos uma nova humanidade», sustenta o prelado.

Segundo D. João Lavrador, a sociedade está a necessitar de «laços fortes de convivência, de valores humanistas, de critérios capazes de escolhas certas e consistentes em ordem a um futuro que oriente a pessoa humana no caminho da dignidade e na salvaguarda do bem comum».

Primeira Páscoa

em Viana

Esta será a primeira Páscoa que D. João Lavrador irá celebrar enquanto bispo de Viana do Castelo. E depois de dois anos de interregno, a visita pascal está de regresso às casas dos fiéis.

O bispo de Viana pede aos diocesanos  que valorizem estas expressões, «com profundo sentido de alegria pascal», mas façam-no «também com muita responsabilidade».

Refira-se que em Viana do Castelo, assim como em todo o Minho, o compasso pascal atrai muitos familiares, amigos e pessoas de outras localidades que querem viver as tradições culturais e religiosas do tempo pascal.

D. João Lavrador lembra que, tal como foi determinado pela Conferência Episcopal portuguesa, o «beijar da cruz» foi substituído pela inclinação reverencial.

Na sua mensagem, o bispo de Viana do Castelo expressa uma «especial saudação» ao povo ucraniano, nomeadamente aos refugiados, alguns em Portugal, e deseja «Santa e Feliz Páscoa» a todos os diocesanos, aos que estão em Viana e aos que estão emigrados. 





Notícias relacionadas


Scroll Up