Espaço do Diário do Minho

Dia Mundial com Saúde

2 Abr 2022
Mário Peixoto

No próximo dia 7 de Abril comemora-se o Dia Mundial da Saúde.

Alicerçado no direito do cidadão e na obrigação do Estado na promoção da Saúde, foi criado em 1948 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), tendo como objectivo superior o alerta da população mundial para determinada temática da saúde global.

Este alerta consubstancia-se através da organização de eventos internacionais, regionais e locais não só no próprio dia, como durante todo o ano para destacar a área seleccionada.

O tema eleito para o Dia Mundial da Saúde de 2022 convida-nos a celebrar o “Nosso planeta, nossa saúde” e com isso a reflectirmos e repensarmos sobre as múltiplas variáveis que impactando, positiva ou negativamente, ajudem a reestabelecer um conjunto de equilíbrios que se têm vindo a perder no mundo em que vivemos.

Não são recentes as acções de sensibilização das populações para a problemática das alterações climáticas. Contudo, os níveis de preocupação para com este tema junto da sociedade civil apenas se têm tornado mais evidentes nos tempos mais próximos.

Sendo esta uma realidade incontestável e, acrescentaria, permanente, a melhor forma de, neste âmbito, se mitigarem esses efeitos indesejáveis, passa necessariamente por uma atitude menos reactiva e, por conseguinte, mais proactiva.

Todos temos um papel fundamental na consciencialização da sociedade civil para esta temática embora, no que aos profissionais de saúde diz respeito, essa necessidade é ainda mais premente pela compreensão de que as alterações climáticas acarretam, efectivamente, riscos de saúde para a população em qualquer parte do mundo.

Sensibilizar as populações para esses riscos, apostando na sua educação, tanto para a saúde, como para a defesa do meio-ambiente, sempre com o objectivo de se obter ganhos em saúde e conseguir reverter os efeitos das alterações climáticas, constitui um desafio tão ambicioso, quanto exigente.

Multipliquem-se assim os eventos que visem almejar essa maior consciencialização e, acima de tudo, esse conjunto de acções, muitas vezes simbólicas, mas que reflitam cabalmente o desejo subjacente aos anseios e preocupações levantados pelas organizações que as levam a cabo.

Acreditamos que, apesar do simbolismo deste tipo de intervenções, não será seguramente desprezível o seu impacto a nível mundial.

O desafio é permanente e a resposta tem de ser ambiciosa.

Pese embora sejam inquestionáveis os progressos e avanços alcançados a este nível, a excelência de determinadas práticas é algo que devemos constantemente almejar, pelo que todos os esforços desenvolvidos nesta procura são pertinentes.



Mais de Mário Peixoto

Mário Peixoto - 26 Jun 2022

Em 1968, Rocco Morabito venceu o prémio Pulitzer com a fotografia “O Beijo da Vida”, que ainda hoje, volvidas várias décadas, sensibiliza multidões. Provavelmente, António Cotrim, fotojornalista da Agência Lusa, não alcançará tão prestigiada distinção, mas teve o engenho e felicidade de captar um momento revelador da, ainda surpreendente, capacidade de Marcelo Rebelo de Sousa, […]

Mário Peixoto - 11 Jun 2022

O conceito não é novo, mas a sua actualidade, sobretudo num contexto de globalização, continua inquestionável. Recordo a época – já bem após o explicitar do conceito no Livro Verde da Comissão Europeia (2001) – em que os olhares de desconfiança e até estranheza trespassavam quem, como eu, ousou abordar o tema em contexto empresarial. […]

Mário Peixoto - 28 Mai 2022

  É unânime que, numa sociedade democrática, existem convergências e divergências em vários temas, sejam eles filosóficos, morais, políticos ou de qualquer outra índole. Mas também é unânime que essas mesmas convergências ou divergências não devem constituir nenhum obstáculo ao estabelecimento de uma sociedade justa e próspera. Um dos valores que parece ser absolutamente convergente […]


Scroll Up