Fotografia: DR

Primeiro-ministro britânico diz que “Putin não é de confiança”

Boris Johnson manifestou determinação em “acelerar” o apoio à Ucrânia na defesa e recusou levantar sanções à Rússia “simplesmente porque houve um cessar fogo”.

Redação/Lusa
30 Mar 2022

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, avisou hoje que o presidente russo “não é de confiança” quando questionado se o presidente francês, Emmanuel Macron, deve continuar a falar com Vladimir Putin sobre a guerra na Ucrânia.

“É muito importante que a unidade do Ocidente e da NATO seja recordada e priorizada. A questão da negociação com Vladimir Putin e o valor dessas negociações está em aberto. Na minha opinião, claramente Putin não é de confiança”, afirmou, durante uma audição parlamentar esta tarde.

Johnson vincou que é importante que “o que seja que venha a acontecer, deve ser aquilo que os ucranianos querem e cabe a eles decidir o futuro dele”.

Sobre se concorda que Putin deve ser removido do poder, o primeiro-ministro britânico disse “perceber” porque o presidente norte-americano, Joe Biden, defendeu que o presidente russo “não pode permanecer no poder”.

“Compreendo as frustrações das pessoas com Putin. Desejar uma mudança de governo em si não é algo ignóbil”, comentou, enfatizando a seguir que “não é o objetivo do Governo britânico” a mudança de regime na Rússia.

“Nós estamos simplesmente a tentar ajudar a proteger a população ucraniana e a protegê-los de violência totalmente bárbara e injustificada”, vincou.

O primeiro-ministro britânico manifestou determinação em “acelerar” o apoio à Ucrânia na defesa e reiterou a recusa em levantar sanções económicas à Rússia “simplesmente porque houve um cessar fogo” no caso de este ser acordado.

O Ocidente, disse, “deve continuar a intensificar as sanções com um programa contínuo até que todas as tropas saiam da Ucrânia”, incluindo a Crimeia, anexada ilegalmente pela Rússia em 2014.





Notícias relacionadas


Scroll Up