Fotografia: DR

Investigadora da UMinho vence Medalha de Honra L’Oréal Portugal

A cerimónia decorre daqui a pouco, em formato online.

Redação/Lusa
23 Mar 2022

A investigadora Carina Cunha, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Universidade do Minho (UMinho), é distinguida hoje com uma Medalha de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência. A cerimónia realiza-se online, a partir das 11h00.

A cientista vai receber 15 mil euros para dar continuidade ao seu projeto que pretende estruturar o mapa do nosso cérebro e identificar o grupo de neurónios que são ativados quando somos expostos a recompensas naturais ou a drogas de abuso, compreendendo que grupos respondem a uma experiência e a outra – e no futuro, encontrar um caminho para combater a adição.

Carina Cunha explica que o trabalho desenvolvido irá “conseguir perceber de que forma assimilamos emoções relacionadas com estímulos naturais positivos – como comer, beber ou interação social – e emoções relacionadas com exposição a drogas de abuso”, explicando que a abordagem assume especial importância porque apesar dos circuitos neuronais serem partilhados, “a exposição a drogas de abuso pode envolver ativação de conjuntos neuronais diferentes daqueles que estão envolvidos em resposta a estímulos naturais”.

O prémio atribuído com a parceria da Comissão Nacional da UNESCO e Fundação para a Ciência e a Tecnologia visa incentivar investigadoras em Portugal, já doutoradas e até aos 35 anos, a prosseguirem estudos originais e relevantes para a saúde e o ambiente.

Para Carina Cunha “esta medalha representa um marco de alto reconhecimento do mérito da minha carreira científica na área de investigação das neurociências e que muito me honra e orgulha. É um grande incentivo e apoio para impulsionar a minha carreira como cientista e para prosseguir o meu projeto de investigação”.

Carina Cunha recebe o prémio aos 32 anos, depois de completado mestrado e doutoramento na Escola de Medicina da UMinho. Integra o ICVS desde 2010, ano em que entrou no Instituto de Investigação como estudante de Mestrado, depois de se ter licenciado em Biologia Aplicada, também pela UMinho. A investigadora concluiu ainda pós-doutoramento em 2019, tendo, nesse mesmo ano, garantido uma Bolsa Fullbright para realizar novo pós-doutoramento no Zuckerman Institute, na Universidade de Columbia (Estados Unidos da América).





Notícias relacionadas


Scroll Up