Fotografia: DR

Empresa de Guimarães doou mais de 116 mil frascos de álcool gel a escolas cabo-verdianas

A doação está avaliada em 125 mil euros, a preço de mercado.

Redação/Lusa
17 Mar 2022

A empresa portuguesa Interhigiene doou um contentor com 116.424 frascos de álcool gel a Cabo Verde, que serão distribuídos por todas as escolas do ensino básico do arquipélago, e quer fazer mais donativos a países com necessidades.

“Por vezes, o mais difícil é chegar às pessoas certas. Estamos disponíveis para oferecer mais quatro contentores, mas queremos ter a certeza de que vão ajudar as populações de países com necessidades”, disse à Lusa o administrador da Interhigiene, Bruno Costa.

A empresa, fundada em 2005, dedica-se à produção de artigos de higiene em Guimarães, onde emprega cerca de 100 trabalhadores. De acordo com o administrador, em 2020, no início da pandemia de covid-19, tornou-se “no maior produtor nacional de álcool gel”.

“Chegámos a trabalhar 24 horas, sete dias por semana. Só foi possível pelo empenho da nossa equipa, mas isso também nos fez criar uma grande capacidade de produção na nossa unidade”, explicou, justificando desta forma a quantidade de álcool gel para doar.

O donativo de um contentor, num total de 116.424 frascos de 100 mililitros de álcool gel para higienização das mãos, foi concretizado na quarta-feira, na Praia, com a sua entrega à Fundação Caboverdiana de Ação Social Escolar (FICASE), através do apoio do parceiro local da empresa.

“Espero que este contentor para Cabo Verde seja o último, era sinal de que a pandemia cá estava ultrapassada”, acrescentou.

Uma doação que a preço de mercado está avaliada em 125 mil euros, mas que segue para todas as escolas do ensino básico de Cabo Verde, com os frascos a serem distribuídos gratuitamente pelos alunos.

“Não vale a pena pensar só no negócio. Isto é uma forma de ajuda entre todos”, afirmou Bruno Costa, recordando que este é o segundo donativo do género, depois de outras cerca de 120 mil unidades de álcool gel terem sido entregues a São Tomé e Príncipe em 2021, onde a empresa não tem qualquer ligação comercial.

Nos armazéns da Interhigiene, em Guimarães, estão mais quatro contentores idênticos que a fábrica portuguesa pretende doar a países com necessidades, tendo já iniciado contactos diplomáticos para encontrar parceiros e, sobretudo, destinos para essa doação.

“A covid-19 afetou-nos a todos e achamos por bem ajudar os países com mais dificuldades”, concluiu o administrador da Interhigiene, cuja atividade de exportação de produtos de higiene está concentrada na Europa e em alguns Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), como Angola ou Cabo Verde.





Notícias relacionadas


Scroll Up