Fotografia: DR

Crianças do Colégio D. Pedro V fizeram-se ouvir pela Ucrânia

O Coral Bem-Amado, do Colégio D. Pedro V, levou uma mensagem de solidariedade à cidade, através da iniciativa “Na voz da Ucrânia”.

Carla Esteves
17 Mar 2022

A voz da Ucrânia fez-se, hoje, ouvir através das vozes doces das crianças do Colégio D. Pedro V, que se associaram ao apoio que a cidade tem vindo a desenvolver para angariar bens com destino à Ucrânia, num projeto multidisciplinar intitulado “Voz da Ucrânia”, que teve como principal intuito sensibilizar a comunidade e, em particular os mais pequenos, para a importância de ajudar.

A mentora desta iniciativa e professora de Música do Colégio D. Pedro V, Marta Oliveira, considera que o evento cumpriu o seu principal propósito, ou seja, o de «fazer crescer nos alunos o sentido de ajudar através da música». A professora, que preparava o repertório para o segundo período, percebeu que «as músicas que tencionava trabalhar com as crianças refletiam, nas suas letras, uma mensagem tão semelhante ao que se está a viver entre a Ucrânia e a Rússia que foi impossível não estabelecer um paralelo e transformar a aprendizagem destes alunos num momento de dádiva e solidariedade».

O Coral Bem-Amado (classe de conjunto do Colégio D. Pedro V) levou esta mensagem à cidade, através da iniciativa “Na voz da Ucrânia”, em que os alunos, cantaram em frente à fachada do Colégio, para a comunidade educativa e envolvente, numa parceria com a Junta de Freguesia de S. Victor, que assumiu a recolha dos bens solicitados à comunidade do Colégio.

Dirigindo-se a todos os que ontem assistiram à iniciativa, o presidente da Junta de Freguesia de S. Victor, Ricardo Silva, enviou «um abraço coletivo a todos, contendo a amizade que podemos levar ao outro lado do mundo».

«Neste momento, em que estamos aqui todos reunidos, estamos a viver um momento de Amor e de Paz. Precisamos que cada um continue e fazer a Paz», afirmou.

 

 

Voltando-se depois para os mais pequeninos pediu-lhes que cultivem essa paz junto dos amigos, dos professores, da família, e que a transmitam ao mundo, vincando que na paz, no amor e na solidariedade não há fronteiras.

Já Hugo Direito Dias, diretor pedagógico do Colégio, enalteceu «a importância desta serenata se ter tornado um projeto de trabalho multidisciplinar que, mais do que angariar os bens, imprimiu nos alunos a vontade de ajudar e o significado de o fazer com intenção e com gratidão, com o desprendimento necessário ao compromisso de fazer o bem pelos outros, sem esperar nada em troca».

O Colégio embandeira, desde 2020, o selo de Escola associada da UNESCO, conferindo um significado particular ao seu papel ativo nesta iniciativa, enquanto membro de uma comunidade internacional.

 





Notícias relacionadas


Scroll Up