Fotografia: DR

Capelão viveu na sacristia para não deixar doentes sozinhos

Viveu dois meses na sacristia e a tomou banho de caneca.

Redação/Lusa
16 Mar 2022

O capelão do Hospital São José, em Lisboa, nunca deixou sozinho nenhum doente com covid-19, mesmo quando as visitas não eram permitidas, uma missão que o levou a viver dois meses na sacristia e a “tomar banho de caneca”.

Foram muitas as vezes que o padre Carlos Matos acompanhou sozinho vítimas da covid-19 até à sepultura, procurando dar “uma certa dignidade” àquele “momento de despedida” e fazendo a ponte com a família que não podia estar presente no funeral.

Tudo isto aconteceu no início da pandemia em Portugal, em março de 2020, quando a ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou a primeira morte no país, no dia 16, e quatro dias depois o Governo proibia as celebrações religiosas, como funerais, e outros eventos que implicassem a concentração de pessoas.

Há 13 anos capelão no Hospital São José, Carlos Matos recordou à Lusa esses tempos “terríveis”, de “ambiente de guerra”, em que famílias se despediam dos seus familiares à entrada do hospital e nunca mais os voltavam a ver.

“Por aquela morgue [do hospital] passou muita gente com família que não se pôde despedir do doente, nem o doente dela, foi terrível”, disse, lembrando que “as pessoas morriam, punham-se em dois sacos, com uma fita no pé e seguiam para a morgue e depois sepultura, sem despedida. Nesta matéria fomos todos iguais”.

Para atenuar esta dor, os capelães fizeram a ponte entre os doentes e a família. “Os familiares puderam ver que eles não morreram sem ouvir o recado que lhe mandaram e ouviram o recado que o doente lhes deixou”.

Com o número de mortes a aumentar diariamente no início de 2021, os hospitais tiveram de reforçar as suas morgues e instalar contentores frigoríficos. “As pessoas morriam num autêntico anonimato tendo familiares”, porque não havia reconhecimento por parte da família.

“Ainda hoje acompanho muitos familiares que não estão a fazer o seu luto porque não tiveram o momento da despedida”, disse Carlos Matos.

Na altura, colocou-se a questão de os capelães ficarem em confinamento, mas recusaram.

“Decidimos que queríamos estar ao serviço dos doentes e dos familiares”, respeitando sempre as regras, disse o padre Carlos, um dos seis capelães do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central, onde até domingo tinham morrido 887 pessoas vítimas da covid-19 e cerca de 5.200 estiveram internadas.

Para isso, optou por viver durante dois meses (fevereiro e março de 2021) na sacristia da capela do Hospital de São José para ficar junto dos doentes e também por receio de poder levar a covid-19 para o seminário onde vive.

Durante esse tempo, contou, “tomei banho de caneca como antigamente porque não havia chuveiro na sacristia”.

Quando a pandemia terminar, disse, “há todo um trabalho que é preciso fazer, não só em termos de sequelas de quem sobreviveu, mas também em termos de acompanhamento dos familiares porque foi terrível”.

O capelão realçou a união e dedicação de todos os profissionais aos doentes: “A partir de uma certa altura chegamos à conclusão de que estávamos todos para o mesmo. Não sabíamos o que iria acontecer, podia ser um de nós”.

“Foi um trabalho que atingiu muita gente. Foi terrível, agora espero que tudo isto nos ajude a olhar para a vida de um modo mais simples e mais gratificante”, salientou o padre Carlos, que criou o canal “A praia do capelão” no ‘Youtube’, para poder estar mais perto das pessoas.





Notícias relacionadas


Scroll Up