Fotografia: DR

Encontro literário Correntes d’Escritas regressa hoje ao formato presencial

A 23.ª edição conta com a presença de 60 escritores de expressão ibérica.

Redação/Lusa
23 Fev 2022

O evento literário Correntes d’Escritas, que se realiza na Póvoa de Varzim, distrito do Porto, a partir de hoje, recupera este ano o modelo presencial, depois de, em 2021, devido à pandemia de covid-19, se ter realizado em formato ‘online’.

Para esta 23.ª edição, que acontece até dia 26, sábado, na cidade do litoral norte, está confirmada a presença de 60 escritores de expressão ibérica, que vão, novamente, poder partilhar os seus livros e ideias com o público, que também regressa ao Cine-Teatro Garrett, palco central do evento.

Entre os convidados estão autores como Onésimo Teotónio de Almeida, Ivo Machado, José Carlos de Vasconcelos, Adolfo Luxúria Canibal, Dany Wambire e Elena Medel, Afonso Cruz, Alejandro García Schnetzer, Álvaro Laborinho Lúcio, Carlos Vaz Marques, Cláudia Andrade, Claúdia Lucas Chéu, Francisco José Viegas, Gonçalo M. Tavares, Henrique Cayatte, Isabel Lucas, Isabel Pires de Lima, Isaque Ferreira, José Luís Peixoto, Mafalda Milhões, Mafalda Veiga, Manuel Halpern, Manuel Jorge Marmelo, Manuel Vilas, Maria do Rosário Pedreira, Maria Flor Pedroso, Mû Mbana, Ondjaki, Paulina Chiziane, Paulo Scott, Rui Spranger, Valter Hugo Mãe e Yara Monteiro, vindos de países como Portugal, Espanha, Brasil, Moçambique, Angola e Argentina.

“Amarramos esta oportunidade de retomar as Correntes d’Escritas de forma presencial como um marco de esperança. Este evento precisa de afeto e cumplicidade entre escritores, editores, agentes literários, público e leitores”, disse o vereador com o pelouro da Cultura na Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Luís Diamantino, organizador do certame, quando da apresentação do programa, há duas semanas.

A sessão de abertura tem como convidado central o filósofo e professor Viriato Soromenho Marques, enquanto a Revista Correntes D’Escritas terá um foco especial no escritor brasileiro Rubem Fonseca, que morreu em 2020.

Serão também conhecidos os vencedores dos Prémios Literários Casino da Póvoa, Correntes d’ Escritas/Papelaria Locus, Luis Sepúlveda e Fundação Dr. Luís Rainha/Correntes d’ Escritas.

Os livros finalistas para o Prémio Literário Casino da Póvoa são “A Lição do Sonâmbulo”, de Frederico Pedreira, “A Melhor Máquina Viva”, de José Gardeazabal, “Afastar-se”, de Luísa Costa Gomes, “Autobiografia”, de José Luís Peixoto, “Chuva Miúda”, de Luís Landero, “Hífen”, de Patrícia Portela, “Livro de Vozes e Sombras”, de João de Melo, “Maremoto”, de Djaimilia Pereira de Almeida, “Marrom e Amarelo”, de Paulo Scott, “O gesto que fazemos para proteger a cabeça”, de Ana Margarida de Carvalho, “O Mapeador de Ausências”, de Mia Couto, “O Osso do Meio”, de Gonçalo M. Tavares, “Os Doentes do Doutor García”, de Almudena Grandes, e “Quartos de Final e Outras Histórias”, de Cláudia Andrade.

O prémio é atribuído no âmbito do Encontro de Escritores de Expressão Ibérica Correntes d’ Escritas, em parceria com o Casino da Póvoa, e tem o valor de 20 mil euros.

Além do livro e da leitura, como focos centrais do Correntes d’Escritas, o certame contempla, também, várias iniciativas culturais, dedicadas ao cinema, escultura e pintura, nomeadamente uma exposição de desenhos do escritor Valter Hugo Mãe.





Notícias relacionadas


Scroll Up