Fotografia:

Fogos Rurais: Um vai representar o Ave e outro Cávado

A comissão sub-regional Tem como missão “a atuação das entidades públicas e privadas com competências ou matéria de gestão integrada de fogos rurais, proceder à monitorização e avaliação da execução do programa sub-regional de ação e propor melhorias operacionais a implementar nos anos seguintes, assim como promover o cumprimento dos programas de comunicação, de acordo com a estratégia nacional”.

Nuno Cerqueira
27 Jan 2022

Os comandantes do Fafe e Amares foram os escolhidos para representar a Liga dos Bombeiros Portugueses na gestão integrada de fogos rurais no distrito de Braga.

Nomeados na comissão Subregional de Gestão Integrada de Fogos Rurais (SGIFR) das zonas Cávado e Ave, o comandante de Amares, Domingos Ferreira, vai assumir todo o vale do Cávado, de Terras de Bouro a Esposende.

Já o homólogo de Fafe, Paulo Ferreira, assume o vale do Ave.

As comissões SGIFR são órgão de coordenação, que têm como missão a execução da estratégia de gestão integrada de fogos rurais, a articulação dos programas de gestão do fogo rural e de proteção das comunidades contra incêndios rurais, assim como programas conexos de entidades públicas e privadas e o respetivo planeamento à sua escala.

As comissões reúnem assim a nível deliberativo, dirigida pelos presidente da CIM´s e secretariadas pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) e respetivo substituto, o representante da gestão do fogo rural do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e a nível técnico, dirigido pelo coordenador regional da Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF, I. P).

Tendo ainda como principais atores os representantes dos municípios que compõe as CIM´s, o Estado-Maior-General das Forças Armadas, os Comandos Territoriais da GNR, os Comandos territoriais da PSP com responsabilidade na Sub-Região, a Liga dos Bombeiros Portugueses, a Direção Regional Agricultura e Pescas do Norte, a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária do Norte, a REN-Redes Energéticas Nacionais e a E-REDES.

Pretende-se, num futuro próximo, que esta comissão ​reúna a nível técnico, para iniciar a elaboração do plano sub-regional de ação que inclui os projetos-chave para a modificação da paisagem e consequentemente aumentar a resiliência aos incêndios rurais.

 

 

 

e contam com a participação das forças políticas, de segurança, ICNF, DRAP, DGAV, serviços públicos de transporte, distribuição de energia elétrica, gás, comunicação e outros serviços de interesse público.

De acordo com a Agência de Gestão Integrada de Fogos Rurais, “este novo modelo de planeamento é mais policêntrico e é no programa sub-regional que tudo acontece, uma vez que os incêndios à escala intermunicipal são aqueles que mais preocupam e a partir daqui vamos definir o programa com base nos contributos que serão apresentados”.

A comissão sub-regional Tem como missão “a atuação das entidades públicas e privadas com competências ou matéria de gestão integrada de fogos rurais, proceder à monitorização e avaliação da execução do programa sub-regional de ação e propor melhorias operacionais a implementar nos anos seguintes, assim como promover o cumprimento dos programas de comunicação, de acordo com a estratégia nacional”.





Notícias relacionadas


Scroll Up