Espaço do Diário do Minho

Sim ao voto, não à abstenção

26 Jan 2022
Dinis Salgado

Domingo é tempo de votar, de decidir, de escolher quem governe durante quatro anos; e uma certeza nos deve acompanhar: a abstenção não é solução e só o voto conta e vale.

Temos assistido, nos últimos tempos, à recusa, ao virar de costas, a indiferença ao direito/dever de votar e que ultrapassa em muito os cinquenta por cento (50%), e esta atitude não colhe, não beneficia a democracia e muito castiga os políticos que a servem e defendem.

Penso que esta indiferença, este descrédito tem a ver com a forma como temos sido governados com os maus tratos e desvios que a democracia tem sofrido; e a esta conclusão chegamos facilmente, basta pensarmos, por exemplo, na impossibilidade de pôr cobro à corrupção, descarada e voraz, que, há muito, por ai grassa.

Pois bem, se refletirmos sobre a forma como pensamos o ato de votar, a meu ver, há três atitudes que o demovem: a abstenção, o voto nulo e o voto branco, e, por detrás destas opções negacionistas, sempre existe uma razão de fundo que lhes assiste.

Vejamos: o eleitor que sempre se abstém, pura e simplesmente, é indiferente à vida democrática e tanto lhe faz o candidato x, y e z, porque todos são iguais pela negativa; e, por outro lado, quem vota nulo ou branco participa na vida democrática mas com uma visão muito própria.

Assim, ao votar nulo o eleitor fá-lo como forma de protesto e negação dos candidatos que se lhe apresentam, porque os seus princípios e valores não lhe servem e desconfia da sua atuação futura; mas já quem vota branco quer participar, fazer-se ouvir, estar ativo na vida democrática com outras visões, outros projetos e outros candidatos.

Então, se pretende votar branco o seu voto conta, tem uma leitura, é um voto crítico, inquiridor, afrontoso, contrariamente a quem pretende votar nulo que é dizer não à participação, a ser radical, e anarquista; por isso, não sendo a abstenção a solução, mas a demissão, o voto nulo é anarquismo e negação da forma organizada da sociedade, somente, o voto branco é tido como desejo de participação, mas em novos moldes, diferentes princípios e valores.

Agora, deixando de parte estas três opções, vamos à que fundamentalmente interessa, no momento presente, a todos nós e ao país e que é votar para escolhermos o primeiro-ministro; e para o fazermos de forma ativa, significativa e útil é necessário pensarmos no candidato certo e que melhor garanta a governação que o país necessita e todos desejamos.

Vejamos, então, algumas das caraterísticas e qualidades imprescindíveis a um bom líder e, consequentemente, a um bom primeiro-ministro; fundamentalmente ele deve ser simples, fiel nas palavras e austero nos atos e atitudes públicos, como deve resguardar a sua vida pessoal e a sua privacidade e igualmente não ceder a luxos ou exibicionismos nos seus hábitos de vida.

Ainda deve prestar-se a servir a comunidade e não dela se servir, seja em proveito próprio, seja alheio, não deixar que o poder lhe suba à cabeça nem ceda à ideologia em prejuízo do bem comum, colhendo privilégios, benefícios e mordomias das suas ações públicas, ser exemplo de moderação, cooperação e atuação segundo uma correta escala de valores e princípios, e, muito importante, ser sempre coerente, firme e justo nas medidas e decisões que tome em beneficio de todos; em suma, revelando-se e agindo sempre como um verdadeiro humanista e estadista.

Ora, face a hesitações e dúvidas no momento da escolha, uma análise fria, correta e inteligente ao perfil e passado dos candidatos (quem são, o que fizeram já pelo pais e pelo povo, qual o seu caráter, princípios e valores), é uma ajuda preciosa, e, assim, poderemos fazer uma escolha mais certa e segura para ajudarmos a construir um futuro melhor, mais próspero e feliz para todos.

Todavia, se mesmo assim não encontrar o candidato capaz e seguro não deixe de votar, mesmo que seja branco, que é uma forma inteligente de estar presente e que incomoda e faz pensar os políticos, pois uma coisa é certa: contados os votos, embora a abstenção ultrapasse a percentagem dos votos em urna, o candidato vencedor vai sempre governar, nem que seja com uma geringonça.

Então, até de hoje a oito.



Mais de Dinis Salgado

Dinis Salgado - 18 Mai 2022

A História das nações é fértil em exemplos de homens que tiveram de ser escorraçados do poder, de tal modo a ele estavam agarrados e tamanhos eram os desmandos e atrocidades que praticavam; e isto porque a enorme atração de tais homens pelo poder não terá tanto a ver com o que ele tem de […]

Dinis Salgado - 11 Mai 2022

Recentemente o Papa Francisco numa mensagem aos jovens esposos recomendava o uso de três palavras imprescindíveis no seu convívio e relação, e tais palavras eram: com licença, desculpa, obrigado (a); e lançava o aviso para que, quando algum conflito ou ressentimento entre eles tivesse lugar, nunca terminassem o dia sem fazer as pazes. Ora, perante […]

Dinis Salgado - 4 Mai 2022

O velhote, aí umas oitentas primorosas primaveras (os quatro carros de idade como se dizia na aldeia), encostado a uma tília da Avenida Central, esforçava-se para se aliviar, mictando; e a cena, ao cair do crepúsculo, era bem o quadro de quem, devido ao peso dos anos, e à debilidade orgânica do dito órgão, estando […]


Scroll Up