Fotografia: Avelino Lima

«Não me sinto Bispo de Palácio»

«Tenho de confessar que encontrei a minha força e a minha coragem no lema de vida que escolhi. Eu escolhi para lema do meu episcopado “Que Todos Sejam Um”, isto é, que o trabalho não é meu, tem de ser de todos»

Francisco de Assis
3 Jan 2022

DIÁRIO DO MINHO (DM) – O seu “Sim” à proposta de ser Bispo há 34 anos foi imediato?

D. Jorge Ortiga ( JO) – Permitam-me que comece por saudar todas as pessoas de forma particular aquelas que possam estar num momento de maior aflição, quem sabe de doença, de Covid, isolamento ou solidão. Respondendo à pergunta, quando nos ordenamos para sacerdotes, quando sentimos este apelo e damos o nosso sim, sentimos que a nossa vida deve ser uma entrega de disponibilidade, uma abertura a tudo o que possa vir, porventura, a acontecer. Não me passava pela cabeça, de maneira nenhuma, há 34 anos vir a exercer o Ministério de Bispo. O que é certo é que aconteceu e tive que fazer recurso dessa disponibilidade interior de procurá-lo fazer com alegria. Na nossa vida, quando aceitamos coisas de modo contrariado, simplesmente porque tem de ser, ou porque alguém obrigou, custa muitíssimo mais.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up