Espaço do Diário do Minho

MM – Um “furacão” de alegria contagiante

17 Dez 2021
Carlos Mangas

Na bimilenária cidade romana fundada em 27 a.C. faz sentido a dupla de siglas MM (dois mil em numeração romana). Desde a revolução dos cravos aos primeiros anos deste século, MM eram, também, as iniciais do autarca da cidade. Não há coincidências, pois na modalidade que mais títulos nacionais e internacionais nos trouxe, tivemos no séc. XX uma MM de sucesso – Manuela Machado – que em defesa do clube e do país teve resultados nacionais e internacionais de relevo, em campeonatos europeus, mundiais (campeã do mundo – maratona) e nos JO. Entrou-se no novo século e alguém percebeu que era hora de arranjar uma substituta. E se assim entendeu, melhor o (a) fez e, no ano dois mil, ela nasce.

A nova MM teve o atletismo presente na sua vida, desde muito nova, pois acompanhava a mãe, assistindo às provas, desta. Passou por outros desportos até que um dia a incentivaram a participar num corta mato escolar. Foi, e… apurou-se para os nacionais, sem nunca ter treinado.

Participa habitualmente em provas de 1500 e 3000 metros em pista e corta mato. Consta que gosta mais do corta mato pela adrenalina que lhe proporcionam os diferentes tipos de piso – relva, lama – inclinações, sol, chuva, vento. Deduzo que gosta de desafios permanentes.

Aproveitando a sua área de estudo – medicina na UM – foi questionada se acredita que o ADN tem influência na sua aptidão para a modalidade. Diz que sim, mas que mais importante ainda é a capacidade de sacrifício, trabalho árduo, superação, resiliência e foco nos objetivos. Tudo o que distingue os atletas de sucesso – digo eu.

Percebe-se – e o sorriso permanente não engana – que é uma rapariga, habitualmente, bem-disposta que mostra estar de bem com a vida e com os que a rodeiam. Nos treinos e provas, adora ser incentivada pelos adeptos do seu clube. Além de medalhas em campeonatos internacionais, já tem muitos títulos e recordes nacionais. O clube de coração renovou contrato com ela até 2024, onde todos esperamos vê-la com as cores nacionais a representar-nos, nos JO de Paris.

Jovens estudantes e/ou desportistas, desta ou de outras modalidades, a desportista estudante de eleição chama-se Mariana Machado (filha da Albertina Machado). Ela é a prova viva que quando fazemos aquilo que gostamos e estudamos na nossa área preferida, temos tudo para ser felizes, juntamente com o nosso círculo mais próximo. Não sei se Confúcio e Bob Dylan já previam o aparecimento deste “furacão” de alegria no treino, no estudo e na vida, mas, de certeza que se referiam a ela quando, com diferentes palavras, insinuam que quem faz o que gosta, nunca sentirá estar a trabalhar.

Voltando às iniciais de nomes, acham que é mera coincidência as da sua treinadora (SA) poderem indiciar Super Atleta e as da mãe (AM), Atletismo e Medicina? Eu não. Está tudo manuscrito em papiros referindo-se-lhe, há precisamente MM(XLVIII) anos, data da fundação de Bracara Augusta, onde ela é, atualmente, a estrela mais brilhante. Parabéns Mariana Machado, por seres como (e quem) és.



Mais de Carlos Mangas

Carlos Mangas - 13 Mai 2022

O impasse sobre a liderança futebolística do clube desportivo com mais sucesso e mais eclético do Minho, traz apreensivos sócios e adeptos. É consensual, quando se definem objetivos, que no final se contabilize o deve e haver para saber se as partes cumpriram com o contratado. Em caso afirmativo – como nos casamentos – renovam-se […]

Carlos Mangas - 29 Abr 2022

Em 1974, um miúdo do Gerês, concluído o 2º ano do ciclo, na telescola, em Rio Caldo, rumou ao Sá de Miranda. Aulas de Educação Física teve-as pela 1ª vez em Braga, pois na telescola, devido às condições (in)existentes e nula vontade dos professores – horas de EF, a TV desligava-se e estudava-se matemática – […]

Carlos Mangas - 15 Abr 2022

A D. Amélia era, não há outra forma de o dizer, uma instituição da nossa cidade e adepta fervorosa dos principais clubes da mesma. E, porque não dizê-lo, uma espécie de ícone nacional para quem, como eu, entende que os jogos de futebol deveriam ser locais de romaria e espaços salutares de convívio e confraternização […]


Scroll Up