Espaço do Diário do Minho

O futebol julga-te sempre pelo teu último jogo

19 Nov 2021
Carlos Mangas

Num país de treinadores de bancada, se houvesse referendo, Fernando Santos já não seria selecionador, neste jogo com a Sérvia. Acredito até que não chegaria a iniciar esta fase de apuramento. Antes do jogo começar já a maioria do país embirrava com a constituição da equipa, questionando as opções do selecionador – Danilo em vez de Palhinha e João Moutinho em vez de Bruno Fernandes. Dizem que equipa que joga para empatar, normalmente, perde.

E aqui surge o humor de Manuel Cajuda quando num post sobre o tema, interpelado sobre se estaria a criticar Fernando Santos, afirmou que não, que se referia ao coletivo completando com tirada sui generis: “Disse muitas vezes aos meus jogadores que para perder, não precisava deles. Com quaisquer onze espectadores, seria capaz de perder”.

Verdade que esta equipa, com a qualidade individual dos selecionados tinha obrigação de ganhar, mas também alguém disse um dia que “o único desenho válido do futebol é o que se traça com a bola, nunca o que se faz com o giz” e Fernando Santos, neste jogo, riscou muito a equipa em função do adversário. No final, disse-o (por outras palavras) quando afirmou que a disposição tática dos sérvios o surpreendeu. O problema foi mesmo esse. Eles surpreenderam-nos ao mostrar que vinham jogar para ganhar. Nós não os surpreendemos (exceto no golo madrugador) ao atuar, como se quiséssemos (apenas) empatar. Foi surreal ver CR7 a mandar os colegas subir no terreno e dois laterais com propensão ofensiva, raramente passarem a linha de meio campo. A equipa aparentou estar presa num colete de forças e se Fernando Santos entendia que tal não devia acontecer, não o transmitiu com a equipa que lançou em campo, nem com as substituições feitas. Os jogadores aparentavam estar em sofrimento e, também no futebol, o que se faz em sofrimento, não se faz bem. O selecionador não pode querer que acreditem nele quando diz “empatar 0.0 ou ganhar 5.0, era a mesma coisa” no final de um jogo em que realmente, qualquer desses resultados levava a que bastasse um empate com a Sérvia. Vem nos livros e sente-se no “cheiro do balneário” que vir de um empate a zero com uma Irlanda ou de uma vitória robusta, não é, não pode ser, nem nunca será…a mesma coisa.

Agora temos o selecionador a afirmar que vai colocar os jogadores onde se sintam confortáveis. Há coisas que se podem pensar e até trabalhar sobre elas, mas nunca se devem dizer. Ou seja, perceciona-se que, até aqui, alguns jogadores estariam desconfortáveis no posto específico ou no sistema tático. Cada jogador tem de se adaptar a diferentes sistemas táticos e diferentes postos específicos (desde a formação) e depois, cabe ao selecionador analisar os custos/benefícios desse (des)conforto.

Caro selecionador, para os jogos do play off (acredito que sejam dois) sugiro uma palestra à Bill Shankly: ”Se estás na área e não sabes o que fazer com a bola, mete-a na baliza e depois discutimos as opções”. Mas para isso, não esqueça, temos de estar na área…adversária, muitas vezes.



Mais de Carlos Mangas

Carlos Mangas - 8 Jul 2022

Para quem só agora acordou e dedica alguma atenção a esta novidade de uma parceria Paris SG/SC Braga, é porque anda distraído. Camilo Castelo Branco numa das suas famosas novelas do Minho já catalogava Braga como uma segunda Paris, comparando, inclusive, as pulgas das duas cidades, como nos conta Rui Ferreira no seu delicioso livro […]

Carlos Mangas - 25 Jun 2022

Em fase final de ano letivo e com o reinício de época futebolística à porta, dou comigo a pensar nos atletas/estudantes para quem as férias não são mais que uma miragem. Ainda nas escolas a realizar exames que lhes possibilite acederem a um outro patamar estudantil e, simultaneamente, quase de volta aos clubes para início […]

Carlos Mangas - 13 Mai 2022

O impasse sobre a liderança futebolística do clube desportivo com mais sucesso e mais eclético do Minho, traz apreensivos sócios e adeptos. É consensual, quando se definem objetivos, que no final se contabilize o deve e haver para saber se as partes cumpriram com o contratado. Em caso afirmativo – como nos casamentos – renovam-se […]


Scroll Up