Fotografia: DM

Férias e emigrantes dão “balão de oxigénio” aos vendedores da feira semanal

Na manhã de ontem, as bancas mal se viam dada a quantidade de pessoas que circulavam em ambos os sentidos.

Rita Cunha
11 Ago 2021

A Feira Semanal recebeu, na manhã de ontem, a visita de muitas centenas de pessoas, fazendo quase recuar uma década no tempo, em que a afluência era superior ao que se tem registado nos últimos anos.

Ao habitual português, podiam ouvir-se outras sonoridades como o português com sotaque ou outras línguas, com destaque para a francesa. Famílias inteiras aproveitaram as férias para, em jeito de passeio, fazerem algumas compras, garantindo aos vendedores uma espécie de “balão de oxigénio” depois de vários anos em “sufoco”. «Comprem hoje que amanhã já não estamos cá» – ouvia-se ao fundo.

«Não é isto que nos salva das perdas dos últimos anos, mas sem dúvida que ajuda e dá alguma esperança», explicou Amélia, que perspetivava um «futuro muito negro». De acordo com a vendedora de roupa desportiva, ao contrário do mesmo período do ano passado, desta vez nota-se uma maior afluência de pessoas, sobretudo «estrangeiros». «Acho que no ano passado muitos acabaram por não vir com medo da covid. Este ano vêm muitos mais e até têm comprado algumas coisas. Vamos ver agora como corre daqui em diante», disse, expectante.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up