Espaço do Diário do Minho

Quedas… porque acontecem e o que fazer para prevenir?

28 Abr 2021
Joana Barbosa

O meu avô vive sozinho e cai. Começou por tropeçar, parecia que era algo associado à idade… e foi-se agravando à medida que o tempo passa. Então o que fazer?

As quedas são uma realidade comum no quotidiano da população idosa. Este artigo terá como objetivo ajudar as pessoas que convivem com pessoas idosas e mesmo as pessoas idosas para que estas se sintam mais seguras e não tenham receio de cair.

A maioria das quedas ocorre no domicílio e são o principal motivo de acidentes das pessoas idosas. As causas associadas às quedas tem origem nas alterações sensoriais, nas dificuldades visuais e/ou auditivas, nas alterações de equilíbrio, na alteração da marcha e no surgimento de patologias músculo-esqueléticas, como a osteoporose ou doenças cardíacas, no estado demencial, na postura inadequada, a diminuição da força muscular, as doenças como a osteoporose, doença cardiovascular, o uso de alguns medicamentos (diuréticos, laxantes, medicação para a tensão arterial, antidepressivos, benzodiazepinas), a negação da fragilidade, a ansiedade e depressão.

Os motivos das quedas relacionados com o meio onde se vive, são a existência de superfícies escorregadias, objetos dispersos pelo chão, a existência de tapetes soltos, as escadas com tapetes e sem corrimão, calçado desadequado, casa de banho não ter barras de apoio/piso escorregadio, a existência de cadeiras sem apoio de braços ou até a mobília estar fora do sítio, inexistência de auxiliares de marcha como a bengala, o andarilho, a cadeira de rodas, falta de iluminação (Manual de cuidador: prevenção de quedas em idosos no domicílio, 2016). Como consequência as quedas originam lesões físicas, como fraturas (as mais frequentes são: fratura do colo do fémur, a anca/e a existência de lacerações (feridas). Isto gera perda de funcionalidade, medo em cair, provocando diminuição da auto-estima e o isolamento social.

A nível individual (da pessoa idosa), deixo algumas dicas que o(a) podem ajudar a prevenir a existência de quedas. Em sua casa deve procurar ter boa iluminação nos locais por onde circula, manter os fios elétricos presos à parede, não ter pontas soltas nos tapetes, fazer marcas no chão para se orientar, colocar piso antiderrapante nas escadas, ter corrimões nas escadas, o telefone deve estar num local de fácil acesso, se possível usar um telemóvel, e de preferência estar sempre com ele, quer por um fio junto ou peito (pendurado), bem como num dos bolsos, de modo que seja fácil chegar ao telemóvel, e de preferência ter números de marcação rápida (bombeiros, INEM, família (cuidador de referência,…) (Duarte, N. e Barbosa, C., 2011).

Como medidas preventivas é aconselhável fazer exercício físico, como por exemplo, a realização de caminhadas, aulas de hidroginástica, fazer o controlo de peso, com a realização de uma alimentação saudável, com dieta rica em cálcio e vitamina D e pobres em açúcar (Duarte, N. e Barbosa, C., 2011).

Desta forma, esperamos poder ajudar a população idosa, e com este tema, alertar de que as quedas não acontecem de forma isolada, e o que é importante é que para além de uma realidade que existe é necessário fornecer às pessoas idosas os meios individuais e comunitários de modo a combater esta realidade/flagelo.



Mais de Joana Barbosa

Joana Barbosa - 15 Jun 2021

Neste artigo pretendo refletir sobre as atitudes menos positivas contra as pessoas idosas, e desmistificar as crenças ou mitos que criamos em torno delas. Parece que queremos fazer parte de uma sociedade que anda à procura do elixir da juventude ou da imagem perfeita para ser colocada, no perfil do Facebook, num outdoor da cidade. […]

Joana Barbosa - 24 Fev 2021

A minha mãe era uma senhora vaidosa. Punha pó de arroz todos os dias, arranjava as suas unhas e o seu cabelo no cabeleireiro na zona onde morava. Estudou e aprendeu a falar francês. Ensinou os bisnetos a rezar e a cozinhar, entre outras tarefas que fazia com muito afinco e prazer… Mas um dia, […]

Joana Barbosa - 6 Fev 2021

Em Portugal, 1,4 milhões de pessoas são cuidadores informais. De acordo com Entidade Reguladora de Saúde, num artigo de opinião redigido pela revista Sábado em 2016 “Portugal tem a maior taxa de cuidados domiciliários informais da Europa, a menor taxa de prestação de cuidados não domiciliários e uma das menores taxas de cobertura de cuidados […]


Scroll Up