Espaço do Diário do Minho

Viagens e viragens

12 Jan 2021
João António Pinheiro Teixeira

  1. O tempo é mais para sentir do que para conhecer.

Nunca saberemos cabalmente o que é o tempo. Mas sentimos intensamente o que significa atravessar o tempo.

  1. Até quando paramos, percebemos que o tempo não deixa de andar.

Somos permanentemente visitados por sucessivos «antes» e «depois». Até na sua filigrana mais fina, o tempo cobre-nos com repetidas incursões pelo «fim» e pelo «princípio».

  1. As cercaduras emocionais que nos acompanham no tempo trazem-nos vivências que gostaríamos de refocilar e estender. São momentos que sabem a eternidade. É aí que nos apeteceria habitar para sempre.

Mas há igualmente instantes que daríamos tudo para sacudir e apagar. São, contudo, esses (indesejados) «inquilinos» que não cessam de nos torturar.

  1. O tempo assemelha-se a uma viagem em forma de viragem. A caminho de uma irremediável voragem.

Nele – mesmo quando parece que nada se altera –, tudo se torna diferente.

  1. O tempo cruza-se connosco em muitas fases e com muitas faces.

A impressão que dá é que, no início, o tempo não anda. Depois, notamos que (afinal) o tempo passa. De seguida, constatamos que o tempo corre. Finalmente, damos conta de que o tempo voa.

  1. Imerso no tempo, o homem tem dificuldade em estar e em ser. Ele nota que não está onde já esteve nem onde vai estar.

O momento presente não é mais que uma repentina deslocação entre o momento anterior e o momento seguinte. Dificilmente conseguimos estar; estamos sempre a ir. É por isso que o ser humano é uma transcorrência entre o que já foi e o que há-de vir a ser.

  1. Não espanta que Alexandre Herculano tenha entrevisto o homem como «um animal que disputa».

Em si próprio e no ambiente circundante, ele vive em procura contínua e em insatisfação constante. Não lhe basta o que encontra. Pelo que jamais desiste de encontrar nem de se reencontrar.

  1. Nesta quadra – de noites distendidas –, era bom que cada serão também fosse nutrido de meditação.

Seroar deveria ser especialmente aproveitado para meditar.

  1. Aprendamos com o tempo. Ele é sempre pontual. Nunca deixa de nos acenar, sem alguma vez procrastinar.

Não tenhamos pressa. Mas também não voguemos em pausas exasperantes.

  1. Nesta acelerada viagem, celebramos mais uma viragem, rumo à inevitável voragem.

Um novo ano está a começar. E a eternidade – essa – também não irá demorar!



Mais de João António Pinheiro Teixeira

João António Pinheiro Teixeira - 19 Jan 2021

Na contínua (re)aprendizagem que estamos a fazer, todos temos um calendário com projectos que gostávamos de cumprir e actividades que aspiramos realizar. Acontece que prever, projectar e programar são actos que se tornaram sumamente temerários. O mais frequente tem sido alterar, diferir ou simplesmente suspender. Quem, no início de 2020, lobrigava o labirinto em que […]

João António Pinheiro Teixeira - 5 Jan 2021

Tendo entrado já no Ano Novo, quem não gostaria de também ter ingressado num tempo novo, num mundo novo? Sem pandemias nem incertezas, quem não gostaria de se ver livre de todas as vilezas que, na vida, se nos vão atravessando? Estamos a ser fortemente testados e não apenas pela COVID-19. À prova estão também […]

João António Pinheiro Teixeira - 29 Dez 2020

Era um gesto maravilhoso, que deixava o nosso coração indizivelmente gozoso. Beijar a imagem de Menino traz uma emoção especial, que dulcifica ainda mais a quadra do Natal. Este ano não é possível. A pandemia traz-nos sobressaltados, de noite e de dia. O perigo de contágio é constante. E quem não acumula ansiedade instante após […]


Scroll Up