Fotografia: Ana Marques Pinheiro

Take away e distribuição quebram o silêncio de uma cidade confinada

Esta tarde pela cidade via-se muitas motas a ir buscar e a distribuir comida.

Ana Marques Pinheiro
22 Nov 2020

No fim de semana em que os portugueses ficaram a saber as novas restrições, os bracarenses deixaram de novo as ruas vazias. A manhã foi agitada com algumas lojas com fila à porta para respeitar a distanciamento. Depois das 13h00, o recolhimento tornou Braga, a par de muitas, uma cidade fantasma.

 

O único som que se fazia ouvir era das motas de distribuição de comida e, ao espreitar por algumas portas, percebia-se o trabalho dos poucos restaurantes abertos a preparar as encomendas.

Segundo as medidas apresentadas no sábado pelo primeiro-ministro António Costa os horários de encerramento dos estabelecimentos comerciais mantêm-se às 22h00, e os restaurantes e equipamentos culturais às 22h30. As novas medidas de restrição referem ainda que nas vésperas de feriados os estabelecimentos comerciais têm que encerrar até às 15h00. Nesta medida inserem-se os restaurantes, de acordo com António Costa.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up