Espaço do Diário do Minho

As vinhas da ira espraiam-se pesadamente…

21 Nov 2020
Manuel Antunes da Cunha

Se a memória não me atraiçoa, foi em Agosto de 1990 – sempre que o permitia o atendimento dos fregueses da mercearia e taberna de meus pais – que li “As vinhas da ira” (1939), de John Steinbeck, uma das obras maiores da literatura mundial. Mergulhei então na estória da família Joad, obrigada a abandonar a casa em Oklahoma e a calcorrear mais de dois mil quilómetros em direção à Califórnia, como milhares doutros norte-americanos atormentados pela Grande Depressão, em busca de trabalho e sobrevivência. A escrita de Steinbeck abalroou-me. Não mais olvidei uma das sentenças que melhor condensam essa magistral narrativa sobre o sofrimento humano: «Na alma do povo, as vinhas da ira crescem e espraiam-se pesadamente, pesadamente amadurecendo para a vindima.»

Parece que hoje tudo fazemos para desvalorizar os padecimentos de tantos contemporâneos, restringindo-nos quase sempre a respostas de circunstância, à administração de placebos ou ao tratamento dos sintomas, ao invés de debelar as raízes profundas dos males que nos atormentam. Agarramo-nos a verdades subjetivas e revisionismos simbólicos. Anunciamos provas irrefutáveis e respostas instantâneas. Derrubamos estátuas, expurgamos textos e julgamos vultos do passado à luz dos valores de hoje, mas somos incapazes de reduzir as desigualdades sociais e outras formas de discriminação. Queremos uma vacina para ontem ou combater o aquecimento global, mas somos incapazes de mudar de estilo de vida. Continuamos a achar que resolveremos isto com meia dúzia de estatísticas, algumas ferramentas digitais e duas ou três personalidades providenciais.

Temos imensas dificuldades em reconhecer que não dominamos tudo, que há coisas que desconhecemos. No espaço público, rivalizam políticos, jornalistas, economistas, juristas, médicos, cientistas e outros comentadores de circunstância, cada qual munido com a receita infalível para o sucesso vindouro ou a interpretação legítima dos infortúnios passados. Entretanto, amadurecem desavenças e posições extremadas. Se especialistas esgrimem verdades incompatíveis, por que razão não poderá o cidadão comum invocar as teses que bem entende – por mais estapafúrdias que sejam –, respaldado por um vídeo no Youtube, alguma teoria da conspiração ou as alegações de um qualquer perito ou figura pública? Apavorados por tudo o que cheire a contraditório, apenas damos ouvidos a quem pensa como nós, relegando o resto da humanidade para a geena da indiferença ou do desprezo.

Convertemos debates sobre questões essenciais em cenas de pugilato, recorrendo a todo o tipo de estratagemas para resguardar tão somente os interesses dos nossos grupos de pertença. Em busca de audiência, uma parte da comunicação social limita-se a dar eco a babélicas controvérsias, sem esforço de contextualização. Gastamos quase todas as nossas forças nessas contendas, empenhando-nos em silenciar ou satirizar quem se encontra no campo adverso. Continuamos a ignorar que enquanto não nos aplicarmos a resolver em conjunto as causas profundas dos nossos problemas, não há ciência, religião, lei ou ideário político que nos valha. Questões globais requerem respostas conjuntas, mas nós continuamos a esbracejar cada um para seu lado. Não fomos educados a olhar para além do nosso nariz.

Não há ciência sem humanidade, nem cidadania responsável sem humildade. Em vez de nos ufanarmos com taxas de sucesso escolares artificiais no básico e secundário ou de avaliarmos o ensino superior a partir de índices de citações ou de produção científica, melhor seria que nos preocupássemos com a filosofia do nosso sistema educativo e formássemos as gerações vindouras para uma cidadania verdadeiramente humana. É que, entretanto, «na alma do povo, as vinhas da ira crescem e espraiam-se pesadamente, pesadamente amadurecendo para a vindima.»

*Professor da Universidade Católica Portuguesa – Braga



Mais de Manuel Antunes da Cunha

Manuel Antunes da Cunha - 17 Out 2020

As representações associadas aos estágios davam um livro. Cada vez que uma gralha se insinua num rodapé de um noticiário televisivo ou que numa qualquer instituição seja cometido um lapso, seja ele caricato ou de consequências desastrosas, as responsabilidades são quase sempre despachadas para um erro informático ou para a figura alegórica do “estagiário”. De […]

Manuel Antunes da Cunha - 19 Set 2020

Foi um congresso sui generis aquele em Girensun, cidade turca junto ao Mar Negro, a 140 km do aeroporto de Trabzon. Após uma viagem conturbada, eram 03h00 da manhã quando finalmente cheguei ao hotel reservado pela organização. O funcionário – que apenas falava turco – entregou-me a chave de um quarto com uma indicação que, […]

Manuel Antunes da Cunha - 18 Jul 2020

Na aldeia dos meus pais, quase não se fechava a porta de casa a chave. Verdade seja dita, as pessoas raramente se ausentavam muito tempo ou para longe, a não ser quando emigravam. O mundo inteiro cabia na palma da mão. Uma dúzia de certezas guiavam a existência. Na aldeia dos meus pais, quando se […]


Scroll Up