Fotografia: UEFA

Shakhtar Donetsk de Luís Castro vence no reduto do Real Madrid

Na visita ao Salzburgo, o Lokomotiv de Moscovo empatou 2-2, com o internacional português Éder a adiantar os russos, aos 19 minutos, marcando o primeiro golo da carreira em competições europeias de clubes, ao fim de 30 partidas.

Redação / Lusa
21 Out 2020

O Shakhtar Donetsk, treinado por Luís Castro, antigo técnico do Vitória de Guimarães, estreou-se hoje da melhor forma na Liga dos Campeões de futebol, ao surpreender na visita ao Real Madrid (3-2), enquanto o avançado luso Éder estreou-se a marcar em competições europeias.

Em jogo da primeira jornada do grupo B, o tetracampeão ucraniano teve uma primeira parte ‘estrondosa’ e ao intervalo já vencia por 3-0, mesmo sem poder contar com muitos dos habituais titulares, como Ismaily, Stepanenko, Alan Patrick, Taison ou Júnior Moraes, todos com problemas físicos.

A formação comandada pelo português Luís Castro inaugurou o marcador aos 29 minutos, por intermédio do brasileiro Tete, e dilatou a vantagem com um autogolo do francês Raphael Varane, aos 33, antes de o israelita Manor Solomon colocar ainda mais a ‘nú’ todas as fragilidades defensivas dos espanhóis, aos 42.

Sem Sergio Ramos, Carvajal e Eden Hazard, lesionados, Zinedine Zidane lançou Karim Benzema ao intervalo e os ‘merengues’ reduziram por Luka Modric, aos 54 minutos, e pelo brasileiro Vinícius Júnior, aos 59, cerca de 15 segundos depois de ter entrado em campo, para render Luka Jovic.

Em tempo de compensação, aos 90+2 minutos, o Real Madrid viu o golo do empate ser-lhe anulado – e bem – devido à posição irregular do jovem avançado ‘canarinho’.

Na visita ao Salzburgo, o Lokomotiv de Moscovo empatou 2-2, com o internacional português Éder a adiantar os russos, aos 19 minutos, marcando o primeiro golo da carreira em competições europeias de clubes, ao fim de 30 partidas (três das quais em pré-eliminatórias).

Os austríacos conseguiram dar a volta, com tentos de Dominik Szoboszlai e Zlatko Junuzovic, aos 45 e 50 minutos, respetivamente, mas Vitali Lisakovich fixou a igualdade final para os moscovitas, aos 75.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up