Fotografia: Avelino Lima

IPCA quer criar espaço autónomo dedicado à investigação e transferência de tecnologia

Maria José Fernandes aproveitou a presença do Primeiro Ministro para dar nota de alguns projetos e necessidades.

Rita Cunha
13 Out 2020

A criação, em Barcelos, de um espaço autónomo totalmente dedicado à investigação, transferência de tecnologia, incubação de empresas de base tecnológica e academia de formação com e para empresas é um dos objetivos prioritários do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA) anunciado hoje pela sua presidente.

Maria José Fernandes, que falava na cerimónia de abertura do ano letivo – a qual contou com a presença do primeiro ministro António Costa -, referiu que este desejo vem no seguimento dos resultados de investigação obtidos nos últimos tempos e que irá permitir «intensificar a atividade de I&D, com mais e melhor integração entre educação, investigação e inovação e uma maior articulação com as empresas, o tecido produtivo e a administração pública».

Segundo a presidente, a criação deste novo espaço conta com o «total apoio» do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor (que ontem não pôde estar presente na cerimónia por estar infetado com covid-19), bem como do município de Barcelos para a aquisição do terreno.

Um outro desafio destacado por Maria José Fernandes é o da «melhoria das infraestruturas para apoio ao ensino, a investigação e aos estudantes. Nesse sentido, serão concretizados projetos com os municípios nos quais o IPCA tem campi. Em Barcelos, por exemplo, está previsto que, «em dois anos», a Escola Superior de Design já esteja no centro da cidade no novo espaço reabilitado pelo município», o que «permitirá aproximar mais os estudantes da cidade».

Alargar o espaço físico do campus do IPCA, que deverá atingir os 10 hectares, é outro desses projetos.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up