Espaço do Diário do Minho

O que se passou?

24 Set 2020
Maria Susana Mexia

«Não ouvistes falar daquele homem louco que, em pleno dia, acendeu uma lamparina e começou a correr pelas praças gritando sem cessar: “Onde está Deus? Onde está Deus? Como se encontravam por ali muitos dos que não creem em Deus, este grito suscitou grande hilaridade: “Quer dizer que Ele se perdeu?”, perguntava um. (…) “Terá emigrado?” (…) O louco saltou para o meio deles e trespassou-os com o olhar: “Para onde foi Deus?”, gritou. “Digo-vos eu: matámo-lo – vós e eu! Somos, todos nós, seus assassinos”.

Após este anúncio dramático da “morte de Deus”, o homem louco colocou uma série de perguntas: “Mas como é que fizemos tal coisa? (…) Que fizemos, quando desprendemos esta Terra da corrente que a ligava ao Sol? (…) Não é verdade que estamos a cair incessantemente? Para a frente, para trás, para o lado, para todos os lados? (…) Não é verdade que andamos errantes, como que vagueando num nada infinito? (…) Não está mais frio? Não vedes chegar a noite, uma noite cada vez mais profunda?”.

A tragédia deste homem louco é a tragédia de um assassínio: o próprio Deus foi morto e os responsáveis pela sua morte são os Europeus, que começaram a viver “como se Deus não existisse”. E, se Deus morreu, o Sol, a verdade, o amor e o belo, em termos absolutos, deixaram de existir; tudo se torna relativo para o homem e a sua radical finitude. Se o Sol existe, há uma fonte, uma perspectiva, um ponto de vista e de interpretação único, objectivo, absoluto a ver e a alcançar; se o Sol deixa de existir, resta apenas o pluralismo anárquico das perspectivas e das interpretações. Cada indivíduo passa a ser o seu próprio sol. Em vez de um Sol, resta-nos uma miríade de sóis isolados. Se Deus não existe, qualquer indivíduo pode arvorar-se em Deus, em detentor da verdade e em medida de todas as coisas. A morte de Deus dá origem ao individualismo e ao relativismo.

Encontramo-nos perante grandes interrogações: o bem e o mal são realidades objectivas, absolutas e imutáveis, ou são relativos às transformações históricas, à nossa liberdade e às nossas decisões? A vida da pessoa humana é um bem em si, objectivo, absoluto, não negociável, ou o valor e a dignidade da vida são, pelo contrário, relativos à liberdade humana? Os direitos e os deveres que estão na base da vida em comum têm um fundamento objectivo, absoluto, racional, ou o seu conteúdo perde-se na anarquia das interpretações dos indivíduos?»

A estas questões e a muitas outras de pertinência actual, Grégor Puppinck, no seu livro “A família, os Direitos do Homem e a Vida Eterna”, ajuda-nos a reflectir e a compreender o estado de desespero e de ausência moral em que nos encontramos, não deixando de partilhar connosco o seu plano luminoso de recuperação da herança cultural que nos caracterizava e definia, “na certeza de que o futuro se faz onde as pessoas se unem em torno do convicções que dão forma à vida”.



Mais de Maria Susana Mexia

Maria Susana Mexia - 18 Out 2020

A dignidade é a expressão da humanidade do Homem, é uma questão eminentemente ligada ao conceito de Pessoa, que o é pelo facto de existir como tal, como membro da espécie humana. A dignidade transcende o Homem e todos os homens, é inerente à Pessoa pela supremacia que a envolve e distingue, não porque o […]

Maria Susana Mexia - 16 Set 2020

Em muitos meios profissionais, familiares e académicos é altamente desaconselhável empregar os termos “valores”, “ética” ou “moral”. Provocam grandes alergias, desencadeiam conflitos e, por vezes, até são estigmatizantes… Opta-se, então, pelo mais fácil, mais cómodo, menos comprometedor, omitem-se estes incomodativos vocábulos. Em muitos ambientes até já são considerados démodé e são substituídos por relativismos superficiais, […]

Maria Susana Mexia - 11 Set 2020

A França aprovou o aborto até aos nove meses de gestação, baseando-se numa eventual angústia da mãe. A Assembleia Nacional de França, uma das duas câmaras que compõem o Parlamento, aprovou um projeto de lei que introduz o aborto livre durante toda a gravidez, alegando simplesmente angústia uma mera alusão sintomática existencial. De 31 de […]


Scroll Up