Fotografia: DR

Arranque do novo ano letivo motiva críticas por parte da oposição

A questão da falta de assistentes operacionais voltou a estar no centro da discussão

Carla Esteves
21 Set 2020

A forma como decorreu o arranque do ano letivo, em particular a falta de assistentes operacionais que levou à não abertura da Escola Básica de Ponte Pedrinha, mereceu, ontem, durante a reunião do executivo municipal, as críticas dos vereadores do PS e da CDU,  que defendem que a Câmara de Braga «podia ter feito mais para assegurar um início de ano com todas as condições».

Ricardo Rio respondeu, recordando que no que à contratação de assistentes operacionais diz respeito «há um concurso em processo de há vários meses a esta parte», mas que só no final do ano terá recursos prontos a serem contratados». 

Entretanto, o edil assegurou que, «de forma paliativa», o Município de Braga já se socorreu do Instituto de Emprego e Formação profisisona (IEFP), e vai avançar com a contratação de 60 pessoas através do contrato de emprego de inserção, para assim acorrer à insuficiência de recursos em diversos agrupamentos escolares.

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up