Fotografia: DM

Comunidade ucraniana lembrou os heróis que morreram em defesa da pátria

A cerimónia decorreu no Parque de S. João da Ponte.

Rita Cunha
29 Ago 2020

O dia de hoje ficou marcado, no seio da comunidade ucraniana que vive em Portugal, por uma homenagem àqueles que morreram pela independência, soberania e integridade territorial da Ucrânia.

A cerimónia decorreu no Parque de S. João da Ponte, junto ao monumento de homenagem aos heróis defensores da independência da Ucrânia, erguido em 2016, e contou com a presença de várias personalidades, entre elas Inna Ohnivets, embaixadora da Ucrânia em Portugal; Anatolii Koval, cônsul da Ucrânia no Porto; e Firmino Marques, deputado na Assembleia da República e antigo vice-presidente da Câmara Municipal de Braga. De destacar, ainda, algumas dezenas de ucranianos oriundos não só de Braga mas também de outras localidades como Águeda, Coimbra e Vila Nova de Gaia que fizeram questão de assistir e de, também eles, prestarem a sua homenagem.

À margem da iniciativa, a embaixadora da Ucrânia em Portugal destacou a importância da cerimónia que lembra aqueles que morreram defendendo a sua pátria sobretudo numa altura em que «a Ucrânia vive uma situação difícil» que chama os ucranianos a defenderem a sua pátria da «agressão russa». «Morreram mais de 14 mil ucranianos na província de Donbas, no leste da Ucrânia, e agora temos o processo de negociação porque não queremos resolver este problema através da guerra, mas sim da diplomacia, e viver em paz», disse Inna Ohnivets ao Diário do Minho, vincando que, enquanto «gente pacífica», os ucranianos querem «lutar, fazer parte da União Europeia e ser membro da OTAN [Organização do Tratado do Atlântico Norte]».

[Notícia completa na edição impressa do Diário do Minho]





Notícias relacionadas


Scroll Up