Espaço do Diário do Minho

Ciência Aberta para enfrentar a Covid-19

11 Ago 2020
Eloy Rodrigues

À semelhança do que já aconteceu em emergências sanitárias anteriores (como o ébola ou a zika), as organizações de saúde e a comunidade científica têm vindo a apelar à partilha do conhecimento (desde os dados de investigação até às publicações em revistas científicas) útil para a compreensão e o combate à pandemia provocada pela Covid-19. E, de facto, nos últimos meses multiplicaram-se as iniciativas de partilha de dados, colaboração e acesso aberto por parte da comunidade académica, mas também das revistas, como a The Lancet e outras centenas, que disponibilizam temporariamente os seus conteúdos relacionados com a Covid-19.


Este comportamento comprova, mais uma vez, o que os defensores da ciência aberta têm vindo a repetir, com um sucesso limitado, há cerca de duas décadas: a investigação realizada de modo aberto, colaborativo e transparente, facilitando a partilha e a comunicação dos processos e resultados (dados, publicações e outros documentos), é a forma mais eficiente de promover o avanço da ciência e a geração de novo conhecimento, maximizando o retorno do investimento que as nossas sociedades realizam no sistema científico. E o que é válido para esta “ciência de emergência” é, em grande medida, válido também para a “ciência normal”. Porém, apesar de ter vindo a ser promovida por governos, decisores políticos e entidades financiadoras de todo o mundo, esta forma de fazer investigação é muito diferente das práticas científicas hoje predominantes, que se estabeleceram nos últimos 60 a 70 anos.

A partir de meados do século XX, o sistema de comunicação académica, até aí essencialmente orientado para a difusão e partilha do conhecimento entre a comunidade científica, sofreu uma profunda alteração. A transformação do sistema de publicação científica (até então dominado por organizações não lucrativas, como as sociedades científicas e editoras universitárias) num mercado altamente lucrativo (cerca de 4000 euros de receita por cada artigo publicado e lucros de 34% reportados pelo principal grupo editorial) e de oligopólio (dominado por cinco grandes grupos) e o crescente uso de métricas, como o “fator de impacto”, na avaliação dos investigadores e das unidades de investigação, estão na origem das práticas que hoje predominam.

A publicação, que era apenas um possível resultado final da investigação (não influenciando a definição dos seus objetos e métodos), passou em grande medida a orientar a investigação. Caricaturalmente, pode afirmar-se que em alguns contextos se deixou de publicar porque se investiga, para se passar a investigar para publicar. É, pois, uma alteração muito animadora a adoção de práticas abertas pelos investigadores e a disponibilização temporária em acesso aberto dos artigos científicos ligados à Covid-19. Mas o que acontecerá daqui a um ano ou dois, quando estes artigos passarem a estar novamente apenas disponíveis mediante pagamento, ou novos artigos apenas possam ser publicados com o pagamento de taxas de publicação de 2000 ou 3000 euros? E será moralmente menos imperativo abrir e partilhar o conhecimento sobre as doenças cancerígenas, a diabetes, o Alzheimer ou as alterações climáticas?

Vivemos tempos extraordinários e concentremo-nos, pois, por agora, em partilhar todo o conhecimento que nos possa ajudar a ultrapassar esta enorme e inesperada emergência da Covid-19. Mas, quando voltarmos à “normalidade”, não nos esqueçamos como conseguimos minimizar os custos humanos desta crise e acelerar a sua resolução. Seria uma triste ironia que a comunidade científica e as suas instituições, que justamente reclamam a partilha dos dados e generosamente estão a colaborar para a geração do conhecimento que necessitamos, passada a crise voltassem às práticas de investigação e publicação fechadas e às avaliações baseadas em métricas e rankings (pouco ou nada “científicos”), que se convertem num fim em si mesmo. Tenho esperança que uma das poucas coisas positivas que possam resultar desta crise seja uma ciência mais aberta, mais responsável e mais comprometida com as necessidades da nossa sociedade.



Mais de Eloy Rodrigues


Scroll Up