Fotografia: DR

Aprovadas candidaturas para valorizar património de Camilo Castelo Branco

Candidaturas vão permitir a modernização e requalificação da Casa-Museu Camilo Castelo Branco, em S. Miguel de Seide, e estabelecer uma rede de experiências inspiradas no escritor.

Rita Cunha
3 Ago 2020

A Rota Camilo vai beneficiar de um investimento de mais de 700 mil euros para a sua dinamização, contando com uma comparticipação FEDER de cerca de 500 mil euros.Recorde-se que se trata de um projeto de valorização do património de Camilo Castelo Branco enquanto produto de interesse turístico-cultural promovido pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão envolvendo um conjunto de instituições do norte do país.

Em comunicado, o município famalicense dá nota da aprovação de duas candidaturas ao programa operacional Norte 2020 «que vão permitir, por um lado, a modernização e requalificação da Casa-Museu Camilo Castelo Branco, em S. Miguel de Seide, nomeadamente a reconstrução da Quinta de São Miguel e da Casa dos Caseiros». E por outro, «estabelecer uma rede de experiências inspiradas em Camilo com recurso à vida e obra do escritor, com o objetivo de aumentar exponencialmente de ligações ao legado deixado por ele».

As candidaturas intitulam-se “Rota Camilo: Valorização da Casa-Museu e Cemitério da Lapa” e “Rota Camilo: Qualificação e Divulgação Territorial” são projetos cofinanciados pelo Norte 2020, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

No primeiro caso, a candidatura foi apresentada em conjunto com a Venerável Irmandade da Lapa, do Porto, e vai permitir ainda a qualificação do cemitério da Lapa, um monumento de interesse público, onde está localizado o jazigo de Camilo Castelo Branco. Em S. Miguel de Seide, a Casa Museu de Camilo ganhará novos espaços aptos ao acolhimento de experiências como visitas encenadas, degustações de ementas camilianas, pequenas performances, programas noturnos, entre outras.

No que diz respeito à segunda candidatura o município de Vila Nova de Famalicão assume o papel de beneficiário líder e o município de Ribeira de Pena é co-beneficiário, em concertação com uma rede de parceiros distribuídos pela região, nomeadamente a Câmara Municipal do Porto, o Centro Português de Fotografia, a Confraria do Bom Jesus, CP – Comboios de Portugal e Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Lapa.

Neste âmbito, a Casa Museu de Camilo, localizada em S. Miguel de Seide, «assume-se como o polo de acolhimento e distribuição da Rota de Camilo, mobilizando os públicos a partir do polo turístico do Porto para os destinos do Minho e Trás-os-Montes».
Segundo a mesma fonte, as intervenções deverão ficar concluídas até ao segundo semestre de 2021, altura em que a Casa-Museu assinalará 100 anos de abertura ao público.

De destacar, ainda, que a Rota Camilo foi lançada em março de 2017, no Porto, no dia em que se assinalava o 192.º aniversário do nascimento de Camilo Castelo Branco. Na altura, Paulo Cunha, presidente da Câmara Municipal de Famalicão, afirmava que «Camilo é um escritor que ultrapassa as fronteiras de Famalicão e com um potencial enorme em termos de promoção turística».

O edil adiantou ainda que «não se trata da promoção de um território, de um concelho, mas antes da promoção de um património e de uma época». «A quantidade e a qualidade de obras literárias que nos legou é uma verdadeira herança que nos compete promover», vincou.





Notícias relacionadas


Scroll Up