Espaço do Diário do Minho

Livro de Reclamações físico e eletrónico

4 Jul 2020
Fernando Viana

O Livro de Reclamações (LR) constitui um importante instrumento de defesa dos direitos dos consumidores no âmbito do fornecimento de bens e da prestação de serviço. Tendo uma utilização muito restrita até 2005 (hotelaria, restauração e turismo), a partir daquele ano procedeu-se à generalização da obrigatoriedade da sua existência e disponibilização pela esmagadora maioria dos agentes económicos.

Todos os fornecedores de bens e prestadores de serviços são obrigados a possuir o LR desde que possuam um estabelecimento com caráter fixo ou permanente onde exerçam a sua atividade e tenham contacto com o público

Inicialmente, o LR apenas era disponibilizado nos estabelecimentos comerciais em formato físico, sendo um livro de capa vermelha com 25 reclamações em triplicado (uma folha destina-se a ser enviada à entidade reguladora ou de controlo do mercado, outra é entregue ao consumidor reclamante e a terceira não pode ser retirada do livro).

A partir de 2017 passou a existir também o Livro de Reclamações Eletrónico (LRE). Trata-se de uma plataforma digital (acessível no seguinte endereço eletrónico: https://livroreclamacoes.pt/inicio) onde os consumidores podem submeter as suas reclamações (mas podem também solicitar informações às entidades reguladoras/fiscalizadoras, apresentar sugestões e elogios aos agentes económicos). Em 2017, quando surgiu o LRE apenas era obrigatório para as empresas prestadoras de serviços públicos essenciais (fornecimento de água, tratamento de resíduos, energia, comunicações eletrónicas e postais). Hoje, todos os operadores económicos que tenham livro de reclamações no seu estabelecimento físico, bem como as lojas on-line (que só vendam na Internet), são obrigadas a disponibilizar o LRE. Assim, por exemplo, uma sapataria de rua tem que ter hoje um LR físico e disponibilizar igualmente o LRE. Já uma empresa que venda exclusivamente calçado através de uma loja on-line, apenas é obrigada a disponibilizar o LRE.

O consumidor que pretenda apresentar uma reclamação tem assim ao sue dispor diversas opções.

Contudo, atenção. Não existe ligação neste momento entre o LR físico/eletrónico e os mecanismos de resolução extrajudicial de conflitos de consumo (vulgo Centros de Arbitragem ou Tribunais Arbitrais de Consumo).

Se o consumidor, descontente com o atendimento em loja, pretender registar uma reclamação, o instrumento ideal para o fazer é o LR. Porém, caso tenha um conflito de consumo com o operador económico (por exemplo, reclama de um defeito no bem que adquiriu, pretendendo a sua reparação, substituição ou resolução do contrato, o local ideal para apresentar a reclamação será o Centro de Arbitragem e não o LR).

Curiosamente, nem todos os agentes económicos são obrigados a possuir LR. É o caso dos feirantes e dos vendedores ambulantes. Imagine uma empresa que apenas venda os seus produtos em feiras ou exposições, não é obrigada a possuir e disponibilizar o LR.

Existe a ideia de que depois de o consumidor efetuar uma reclamação no LR, a empresa está obrigada a dar-lhe uma resposta, mas não é bem assim. Caso a reclamação tenha sido feita no LR físico, apenas as empresas prestadoras de SPE (água, resíduos, eletricidade e gás, comunicações eletrónicas e postais e transporte de passageiros), são obrigadas a dar ao consumidor uma resposta à sua reclamação. Já se o consumidor formular a reclamação através do LRE, o agente económico, qualquer que seja, deve dar-lhe sempre uma resposta no prazo máximo de 15 dias úteis, resposta que será enviada para o endereço de email indicado.



Mais de Fernando Viana

Fernando Viana - 18 Jul 2020

Existe uma legislação europeia (Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11/02/2004, que estabelece os direitos mínimos dos passageiros em caso de recusa de embarque e de cancelamento ou atraso considerável dos voos. Como é evidente, com a situação causada pela pandemia da doença Covid-19, foram canceladas inúmeras viagens aéreas. Uma […]

Fernando Viana - 11 Jul 2020

Por força da pandemia da Covid-19, o país tem conhecido uma enorme diversidade de “estados”, a que correspondem outros tantos regimes, com consequências e efeitos sobre os cidadãos, as famílias e as empresas, que são bem conhecidos. Contudo, a passagem de um estado a outro tem ocorrido com tanta rapidez, que nos deixa a todos […]

Fernando Viana - 27 Jun 2020

A pandemia da COVID-19, para além das consequências sobre a saúde das pessoas, tem dado lugar a uma profunda crise social e económica, cujas consequências, na sua plenitude são ainda difíceis de prever. O Governo tem vindo a publicar diversa legislação, contendo medidas excecionais e temporárias, para minorar os efeitos nefastos sobre a vida dos […]


Scroll Up